quinta-feira, 30 de outubro de 2014

[TAG] Gêneros Literários

  Oi minha gente... hoje vou responder a TAG Gêneros Literários (como vocês devem ter suposto pelo título), que me indicou foi a Michelly do Mais Uma Página (obrigado Milly ^^) E, só pra variar, roubei o banner da TAG dela =P

01. Qual é o gênero literário que você mais gosta?

  Gosto bastante de três, Drama, Policial e Terror/suspense, mas dentre eles acho que fico com o policial...

02. Qual livro desse gênero é seu favorito?

Acho que Feche Bem os Olhos do John Verdon e Traição em Família do David Baldacci estão empatados no topo...

03. E qual o gênero que você não gosta?

  Não vou muito com a cara de fantasia e evito romances sempre que posso.

04. Qual gênero você acha que vende mais livros?

  Acredito que os romances, por mais que eu não goste conheço muita gente que adora, e os YA também vem fazendo bastante sucesso...

  Pra não indicar gente que já indiquei (e, diga-se de passagem, ainda não respondeu) vou indicar três, ao invés de quatro blogs:
E o Guilherme do Leitura Fora de Série
Isso, é claro, se eles já não responderam...

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

[Opinião] Malícia - Chris Wooding


Editora: Geração Editorial

N° de Páginas: 427

Citação:

As pessoas tratavam umas às outras como lixo; a atmosfera sendo envenenada e ninguém fazia nada a respeito; centenas e milhares eram assassinados enquanto  os governos assistiam sem fazer nada; a comunicação era tão fácil que ninguém se comunicava mais."

Sinopse:
  "JAKE GIGANTE, ME LEVE EMBORA..."
  Todo mundo já ouviu esse boato. Chame Jake Gigante e ele levará você para Malícia, um mundo que existe dentro de uma aterrorizante história em quadrinhos, de onde os garotos nunca saem.
  Seth e Kady acham que isso não passa de uma lenda absurda. Mas quando o amigo deles desaparece, os boatos de repente deixam de parecer tão absurdos...

Opinião:
  Antes de qualquer coisa eu preciso dizer que esse foi o primeiro livro da editora que vi, e me surpreendi com a qualidade do material usado, o livro é lindo, com folhas grossas, capa forte, ilustrada na parte de dentro e letras de um tamanho agradável... infelizmente a tradução e revisão foram bem desleixadas, é a primeira edição, o que torna razoavelmente justificável alguns erros, mas durante a leitura tive que reler diversas vezes uma ou outra frase para conseguir reorganizar as palavras e entender o sentido do diálogo (estranhamente isso aconteceu com muito mais frequência nos diálogos. Eu não sou muito entendido de outras línguas nem nada mas até eu pude notar erros absurdos da tradução, como em um diálogo onde um carinha pergunta se está tendo um pesadelo e o outro responde simplesmente "somos" todo mundo sabe que os verbos "ser" e "estar" são a mesma palavra em inglês, custava examinar o contexto na hora de traduzir?
  Mas vamos a história: Existe uma lenda urbana sobre uma revista em quadrinhos chamada Malícia, onde, aparentemente, o desenhista usa fotos de crianças desaparecidas como modelos para os personagens das histórias, são histórias de terror, que mostram crianças e adolescentes lutando pela vida, sem mostrar como chegaram àquele momento e diversas vezes pulando para outra história sem mostrar que fim levou o personagem anterior, o boato era que se você fizesse um ritual (colocar em uma tigela em determinada ordem um monte de objetos aparentemente aleatórios, colocar fogo neles e, antes do fogo se apagar, falar seis vezes "Jake Gigante, venha me buscar") Jake Gigante te levaria para Malícia, onde você lutaria por sua vida, apareceria nas páginas dos quadrinhos e se algum dia conseguisse voltar não se lembraria de nada...
  No começo da história vemos quão perturbadas algumas pessoas que leram a dita revista ficam, e toda a agonia psicológica pela qual passam antes de serem levadas por Jake Gigante, mas vemos também a sede de aventura presente nos jovens, a busca por algo além da monótona rotina que levam, um lugar onde a maldade existe e é maioria, mas onde ninguém a ignora se torna mais chamativa do que um mundo que está se destruindo e todo mundo finge que está tudo bem.
  O livro é o primeiro de uma série... procurei no Skoob mas não encontrei o segundo volume... que alguma coisa me diz que terá a capa amarela (eu tenho esses insights meio doidos sobre capas de livros que ainda não foram lançados).
  É um livro voltado para o público infanto juvenil, mas o autor colocou bastante morte na história,outra coisa bacana é que algumas partes da história é no formato de história em quadrinhos, o que é muito conveniente considerando a história.
  É um livro muito bacana e bem escrito, tirei uma estrela pela revisão e tradução meio capengas, mas apesar disso vale a pena ser lido.

sábado, 25 de outubro de 2014

[Opinião] Ao Meu Ídolo, Com Amor - Mariana Pereira

Editora: Universo dos Livros

N° de Páginas: 326

Citação:
 Não acredito. O amor é apenas uma droga que corrói o coração das pessoas, que mata, que machuca. Quem precisa dessa porcaria? Eu nunca tive motivos para acreditar nisso e continuo não tendo."

Sinopse:
  Bernardo Monteiro é um jovem ator queridinho de todas as meninas do país. Sua vida parecia perfeita, até que, misteriosamente, suas namoradas começam a ser assassinadas.
  A experiente investigadora de polícia Ana Maria Paviani, que já solucionou casos praticamente impossíveis, tem o desafio de desvendar esse mistério, que parece não ter solução! Esses assassinatos só não lhe tiravam mais o sono do que a necessidade de contato entre ela e Bernardo.
  Dizer que não se gostavam era pouco para duas pessoas que não tinham a menor vontade de passar mais de dois segundos no mesmo ambiente. Mas eles não terão muita escolha depois do plano que ela e sua equipe desenvolveram. Essa história envolvente vai abalar as estruturas da vida de Bernardo e Ana Maria, principalmente quando alguém começar a se apaixonar...

Opinião:
  Dessa vez fui prejudicado pela falta de hábito de ler sinopses... a capa desse livro me chamou a atenção... e pra me situar um pouco mais li apenas o primeiro parágrafo da sinopse... o que me fez acreditar que seria um suspense policial bem bacana... grande engano...
  O livro começa contando como as namoradas do atorzinho são assassinadas, com um cenário consideravelmente óbvio, mesmo assim as coisas mais básicas para uma investigação só são feitas depois de dois anos do primeiro assassinato, quando a terceira namorada do cara morre, o que dá a entender que os "dois anos de árdua investigação" na verdade não existiram...
  Depois disso temos a brilhante ideia de um dos três únicos policiais da cidade de fazer com que Ana Maria, a investigadora chefe, durona, solitária que não acredita em amor, finja ser a nova namorada do ator para "investigar de dentro" no melhor estilo Miss Simpatia.
  Aí vem o principal motivo de eu não gostar de romances... o absurdamente previsível acontece... ambos se apaixonam, o(a) assassino(a) começa a ameaçar Ana Maria e ela esquece totalmente a investigação para ficar agarrada com seu novo namorado... ¬¬' ... aí o que era pra ser um tenso suspense policial vira um meloso romance da mulher forte com o cara incrível de corpo perfeito (outra coisa que eu odeio em romances... que não tem o copo perfeito nunca arrumará alguém, segundo eles ¬¬').
  Sou obrigado a ressaltar que a autora volta e meia retorna com a história inicialmente proposta (os assassinatos e sua incrivelmente lerda investigação), inclusive um policial fala para a protagonista exatamente o que estava acontecendo: Ela tinha deixado a investigação de lado para viver sua história de amor... Aí o casal briga, tem o momento "não posso ficar com você pra te proteger" "Você corre perigo" "Te amo mas tenho que te deixar" " Isso nunca daria certo" e todos os outros clichês de encher linguiça de qualquer romancesinho fresco... Então acho que posso dizer que como um romancesinho fresco é um bom livro, se é o que você procura, vai fundo. como suspense policial achei paradão demais, muito lento nas resoluções... tudo bem que quem eu imaginei que era o assassino no começo do livro na verdade não era... mas ainda assim percebi muito antes que os personagens...  e o final foi no máximo satisfatório... sendo assim vou dar três estrelas porque acho que é um bom livro de um gênero que muito me desagrada, mas isso não muda o fato de ser consideravelmente bom...
  Uma premissa muito bacana estragada por um casalsinho apaixonado ¬¬'

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

[Opinião] 1 Página de Cada Vez - Adam J. Kurtz

Editora: Paralela (Cia das Letras)

N° de Páginas: 368

Citação:

Saia da sua zona de conforto, faça alguma coisa que você nunca fez antes."

Sinopse:
  As coisas são o que você faz delas
  Todo dia é uma oportunidade de criar algo novo. Largue o celular e pegue um lápis. Encontre um tempo para si mesmo. A internet não vai desaparecer enquanto isso. Comece com uma página de cada vez, e você vai se surpreender com o quanto é capaz de criar.
  Cada uma das 365 tarefas deste livro vai encorajar você a desenhar, escrever, criar listas, refletir e compartilhar. Este livro é o seu novo melhor amigo.
  Vamos começar!

Opinião:
  Que é um livro com tarefas para serem cumpridas todo mundo já sabe... que provavelmente o autor pegou carona na fama de Destrua esse diário também...
  Mas esse livro tem algo especial, ele é mais pessoal, e nem todas as tarefas são para serem cumpridas no livro, e várias delas exigem uma certa interpretação e interação com o mundo e outras pessoas (deixando claro, não gostei disso).
  Algumas tarefas são repetidas, mas acho que isso foi proposital para, considerando que é para fazer uma tarefa por dia, ver o quanto mudamos com o passar do tempo, eu apenas comecei a fazer as tarefas, e sim, estou fazendo uma por dia, mas já li o livro todo e devo dizer que muitas coisas vão ser difíceis e até um pouco emocionantes de se fazer, diferente do Destrua Esse Diário, já mencionado acima, que era apenas para ensinar a desapegar do livro como material, esse é principalmente para você criar, em diversos momentos ele mandará você desenhar, desabafar, gritar algo que está entalado dentro de você...
  Para os famintos por destruição ele também sugere alguns atos destrutivos, onde ele dá enfase de que aquilo é apenas papel e você não precisa se sentir mal por estragar.
  Não vou dar uma avaliação agora, vou deixar para avaliar quando tiver concluído as atividades (daqui a um ano) mas vou compartilhar com vocês algumas páginas com indeterminada frequência... se não aqui no blog na página do mesmo lá no Facebook.
  Mas já aviso uma coisa... e vale a pena sim ;)

sábado, 18 de outubro de 2014

[Opinião] Um Capricho dos Deuses - Sidney Sheldon

Editora: Record

N° de Páginas: 399

Citação:
Somos criados para esperar um final feliz. Mas não existe nenhum final feliz. Há apenas a morte à nossa espera. Encontramos o amor e a felicidade que de repente nos são arrebatados sem qualquer motivo. Estamos numa espaçonave abandonada, deslizando a esmo entre as estrelas. O mundo é Dachau e somos todos judeus."

Sinopse:
  Nesta intrincada rede de ardil e mentiras, tecida com maestria, o leitor é fisgado na primeira página. Cientista política especializada em Leste Europeu, Mary Ashley é convidada para ser embaixadora dos Estados Unidos na Romênia. De início, ela fica reticente em aceitar a proposta, mas quando seu marido morre em um estranho acidente, ela vai para a Romênia na tentativa de aplacar sua dor com o afastamento. Distante e solitária em uma terra estranha, Mary vive emocionantes aventuras para ser uma boa embaixadora e ao mesmo tempo se manter viva - ela não demora a perceber que existe uma trama para assassiná-la...

Opinião:
  Definitivamente é o livro mais diferente que li do autor... sim ainda tem uma mulher como protagonista e sim, ainda temos viagens pelo mundo, política e muito dinheiro (sem falar em mortes... muitas mortes).
  Mary Ashley não fica muito atrás das outras protagonistas do autor, ela é bastante inteligente mas também comete vários erros e é bastante insegura... de todos os livros que li do autor até hoje (A HerdeiraO Plano PerfeitoConte-me Seus Sonhos e O Outro Lado da Meia-Noite) a protagonista me lembrou um pouco a Elizabeth Roffe (protagonista de A Herdeira), que é uma das minhas personagens favoritas da vida (e o livro também) o que já é um grande elogio.
  O autor trata bastante do poder de políticos e de pessoas com recur$o$... temos um grupo intitulado Patriotas Pela Liberdade, que se reúnem usando codinomes, codinomes esses que são nomes de deuses da mitologia nórdica, e votam sobre assuntos de "interesse mundial", dependendo do resultado dessas votações eles recorrem a todo tipo de ações, inclusive assassinato, para resolver tais "problemas". Daí o nome do livro...
  É muito bacana ver todo o processo de investigação, convite e persuasão para que Mary aceitasse o posto de embaixadora (eu ainda acho que se diz embaixatriz), e todos os problemas que ela tem depois, a dificuldade de se familiarizar com o meio de trabalho, com um país diferente e regras que ela até então desconhecia, falando um pouco de mim: fui convidado e persuadido a entrar no meio político recentemente, me ofereceram apoio e quase certeza de que seria eleito vereador na próxima eleição, alegaram que eu sou exatamente o que os jovens da cidade precisam, se eu não tivesse recusado com veemência na ocasião com certeza teria desistido depois dessa leitura :p
  O livro foi escrito em 1987, o que explica algumas reações de certos personagens... por exemplo: quando um cara fica surpreso ao ver um balão sendo enchido com um cilindro de hélio... As armadilhas cradas pelo assassino contratado pelos "deuses" são engenhosas e incríveis... Outro ponto positivo do livro é o fato de algumas conversas em italiano, francês e romeno(que eu nem sabia que era um idioma) não estarem traduzidas, o que nos faz decifrar pelo contexto o que está sendo dito, eu achei isso demais...
  Consegui adivinhar quem era o maior criminoso com certa facilidade... mas se você pensa que o mistério do livro é só esse está muito enganado... tem várias coisas a serem reveladas nas últimas páginas... uma mais surpreendente que a outra.
  Tirei uma estrela pela parte da rotina da embaixadora(triz), que eu achei meio enfadonha e cansativa... mas recomendo fortemente o livro.

Um Comentário com Spoiler
O livro me ganhou, principalmente, pelo fato de a protagonista não se apaixonar pelo mulherengo egocêntrico a lá Larry Douglas (OOLDMN) e pelo fato de não haver tantas cenas desnecessárias quanto no último livro que li do autor

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

[Opinião] Cilada - Harlan Coben


Editora: Arqueiro

N° de Páginas: 271

Citação:

Muitas vezes na vida somos obrigados a fazer julgamentos que não gostaríamos de fazer. E queremos que eles sejam fáceis. Queremos confinar as pessoas em categorias bem definidas, anjos ou monstros. Mas quase sempre o buraco é mais embaixo: a verdade está em algum lugar entre os dois extremos. E esse é o problema. Os extremos são bem mais fáceis."

Sinopse:
  Haley McWaid tem 17 anos. É aluna exemplar, disciplinada, ama esportes e sonha entrar para uma boa faculdade. Por isso, quando certa noite ela não volta para casa e três meses transcorrem sem que se tenha nenhuma notícia dela, todos na cidade começam a imaginar o pior.
  O assistente social Dan Mercer recebe um estranho telefonema de uma adolescente e vai a seu encontro. Ao chegar ao local, ele é surpreendido pela equipe de um programa de televisão, que o exibe em rede nacional como pedófilo. Inocentado por falta de provas, Dan é morto logo em seguida.
  Na junção dessas duas histórias está Wendy Tynes, a repórter que armou a cilada para Dan e que se torna a única testemunha de seu assassinato. Wendy sempre confiou apenas nos fatos, mas seu instinto lhe diz que Mercer  talvez não fosse culpado. Agora ela precisa descobrir se desmascarou um criminoso ou causou a morte de um inocente.
  Nas investigações da morte de Dan e do desaparecimento de Haley, verdades inimagináveis são reveladas e a fragilidade de vidas aparentemente normais é posta à prova. Todos têm algo a esconder e os segredos se interligam e se completam eu um elaborado mosaico de mistérios.

Opinião:
  Não Conte a Ninguém não conseguiu manter seu posto no pódio por muito tempo... Cilada é, definitivamente, o melhor livro que li do autor até hoje, e com larga vantagem...
  A história começa com Dan Mercer, um assistente social que trabalha com crianças de rua indo ajudar uma garota que ligou para ele pedindo para que fosse encontrá-la, chagando lá acaba sendo surpreendido por uma equipe de TV que havia armado uma armadilha para um pedófilo, na qual Dan caiu. Depois de ser inocentado Dan liga para Wendy Tynes, a apresentadora do programa que o tachou de pedófilo (e nossa protagonista), pedindo para se encontrar com ela... ao chegar ao local de encontro e trocar cerca de uma dúzia de palavras com seu desafeto, Wendy presencia a invasão de um homem enorme e armado que dá três tiros a queima-roupa e Dan, Wendy foge e contata a polícia, e quando voltam ao local não encontram nada...
  Não vou comentar muito sobre a história da Haley, a adolescente perfeita desaparecida, possivelmente fugida, possivelmente sequestrada, possivelmente escondida, possivelmente assassinada, possivelmente sabe Deus mais o que, porque a história dela só fica interessante num posto onde o que quer que eu fale será um imenso spoiler.
  Esta é uma história policial de auto nível... uma das mais tensas que já vi, pendendo bastante para o suspense, e mesmo assim conseguindo manter as tiradas irônicas e cômicas que são o ponto alto do autor sem que uma coisa quebrasse a outra, elas se contra balanceiam mas não tem uma mudança abrupta do tipo "ela ouve um barulho, e apesar de achar que devia estar com medo fica esperando um 'Querida, cheguei!'" (convenhamos que isso seria ridículo).
  Wendy é viúva e tem um filho de 17 anos, o autor soube criar a personalidade dela de forma incrível, uma mulher inteligente, que ama o filho acima de tudo mas que mesmo depois de anos ainda sente a dor da perda do marido, que morreu atropelado por uma motorista bêbada, que Wendy não consegue perdoar, no decorrer da história, quando vê incríveis provas de perdão e quando ela mesma precisa do perdão de alguns personagens ela acaba percebendo que quem mais sofre com o ódio dela pela assassina do marido não é o objeto de seu ódio, e sim ela mesma, e começa a entender o quanto o perdão pode ser libertador...
  Diferente do último livro que li do autor (mencionado lááá em cima) esse possui apenas uma reviravolta, que quase me fez chorar, antes disso são apenas revelados os fatos, as peças vão se encaixando, até no final ficar apenas um cisco fora do lugar e aí que acontece a reviravolta...
  Apesar de parecer claro que Dan não é um pedófilo no começo do livro, mais tarde, sobretudo depois de sua morte, várias coisas começam a "provar" o contrário, e o autor deixa até você em dúvida.
   É um livro incrível, amarrado com maestria e que mostra o melhor que Harlan Coben pode fazer.
Um Comentário com Spoiler
 Achei um tantinho desnecessário o final... tá, foi emocionante e incrível, mas acho que seria bom se Dan estivesse realmente morto, mas adorei o final de qualquer forma...

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

[Opinião] O Príncipe da Névoa - Carlos Ruiz Zafón


Editora: Suma de Letras

N° de Páginas: 180

Citação:
Durante esse breve transe, passou pela sua cabeça a terrível certeza de que todo o seu mundo estava prestes a desaparecer para sempre, inclusive os amigos da escola, a turma da rua e a banca de jornal na esquina com seus quadrinhos prediletos. Assim, de uma hora para outra."

Sinopse:
  Uma casa na praia abriga um mistério inimaginável...
  Em 1943, a família do garoto Max Carver muda para um vilarejo no litoral, por decisão do pai, um relojoeiro e inventor. Porém, a nova casa dos Carver está cercada de mistérios. Atrás da casa, Max descobre um jardim abandonado, que contém uma estranha estátua e símbolos desconhecidos.
  Os novos moradores se sentem cada vez mais ansiosos: a irmã de Max, Alicia, tem sinhos perturbadores, enquanto a outra irmã, Irina, ouve vozes que sussurram para ela de um velho armário. Com a ajuda do novo amigo, Roland, Max também descobre os restos de um barco que afundou há muitos anos, numa terrível tempestade. Todos a bordo morreram, menos um homem - um engenheiro que construiu o farol no fim da praia.
  Enquanto os adolescentes exploram o naufrágio, investigam os mistérios e vivem um primeiro amor, um diabólico personagem começa a surgir: o Príncipe da Névoa, capaz de conceder qualquer desejo a uma pessoa - mas cobrando um preço alto demais...

Opinião:
  Zafón definitivamente sabe meter medo... (e lembrem que eu não fiquei com medo lendo O Exorcista)
  A história começa com Max e a família se mudando para um vilarejo no litoral para "fugir da guerra" ao descerem do trem um gato (enorme peludo de olhos dourados) que até então estava simplesmente parado se levanta e vai até a irmã mais nova de Max, e o garoto tem a impressão de que aquele gato estava aí apenas esperando por eles, depois de uma certa insistência Irina, a irmã mais nova, consegue a permissão dos pais para levar o gato para casa, casa essa onde um médico, cujo filho morreu afogado, morava a alguns anos... atrás dessa casa há um jardim de estátuas representando uma trupe circense...
  Esse foi o primeiro livro do autor, e podemos perceber que não tem o mesmo "sabor" dos que vieram depois (Pelo menos do Marina, que foi o único outro dele que li), não que a narrativa seja ruim, ela continua gostosa e fácil (mais uma vez li o livro em menos de um dia... em cerca de 4 horas na verdade) os personagens são convincentes e os acontecimentos são muito bem elaborados e tudo tem uma amarração perfeita no final.
  Diferente de Marina, nesse o autor não dá explicação nenhuma sobre a parte sobrenatural da história... é realmente sobrenatural...
  As descrições dos momentos de tensão são de dar inveja a qualquer escritor de terror/suspense, o autor consegue passar uma agonia até descrevendo a estátua de um palhaço... deixando claro que aquele palhaço não é simplesmente um palhaço...
  Tem um acontecimento (terrível) envolvendo uma criança de 8 anos que quase me fez largar o livro e ir pro colo da minha mãe (sim, tenho 21 anos, mas isso não me impede de, em determinados momentos, querer fugir para perto da minha mãe u.u ), se realmente quiser saber que acontecimento é esse vou deixar na parte do spoiler lá em baixo...
  A edição está super caprichada, adoro livros que tem uma imagem que começa na capa, passa pela lombada e termina na quarta capa...
  Se for para resumir o livro em uma frase vou "roubar" a do Financial Times: "Zafón mistura generosamente amores adolescentes, pactos demoníacos, lobos do mar, palhaços assustadores e destroços mal-assombrados."
  Sim, tem um romance adolescente no livro mas felizmente não é meloso e não travou a leitura, é bem distribuído entre momentos de ação...
 
A nota não podia ser outra

Um Comentário com spoiler

A parte do acontecimento terrível envolvendo a criança está na página 64/65-69 e fala: "No começo Irina pensou que estava ouvindo a voz de sua mãe no andar de baixo. Andrea Carver costumava falar sozinha enquanto girava pela casa, e nenhum membro da família se surpreendia mais com esse hábito materno de dar voz aos seus pensamentos. Um segundo depois, porém, Irina viu a mãe pela janela despedindo-se do pai, que estava indo à cidade acompanhado de um dos motoristas que tinham trazido a bagagem da estação. Naquele momento, Irina percebeu que estava sozinha dentro de casa e a voz que teve impressão de ouvir devia ser uma ilusão. Até que voltou a ouvi-la, dessa vez dentro do seu quarto, como um sussurro que atravessava as paredes.
A voz parecia vir do armário e soava coo um murmúrio distante, cujas palavras era impossível distinguir. Pela primeira vez desde que tinham chegado à casa da praia, Irina sentiu medo. Cravou os olhos na porta escura do armário, que estava fechado, e verificou que a chave estava na fechadura. Sem parar para pensar, correu até o móvel e girou atropeladamente a chave até ter certeza de que a porta estava perfeitamente trancada. Foi então que ouviu de novo aquele som e compreendeu que não era uma voz, mas várias vozes sussurrando ao mesmo tempo.
 - Irina? - chamou a mãe do andar de baixo.
  A voz quente de Andrea Carver a retirou do transe em que estava mergulhada. Uma sensação de tranquilidade tomou conta dela.
 -Irina, se estiver aí em cima desça para me ajudar aqui.
 Nunca, em meses, Irina teve tanta vontade de ajudar a mãe, fosse qual fosse a tarefa que a esperava. Estava pronta para correr escada abaixo quando, depois de sentir uma brisa gelada acariciar seu rosto através do quarto, viu a porta do quarto bater de um só golpe. Irina correu até lá e tentou girar a maçaneta, que parecia travada. Enquanto lutava em vão para abrir a porta, ouviu que, às suas costas, a chave da porta do armário girava lentamente e que aquelas vozes, que pareciam vindas das profundezas da casa, riam.
Irina sentiu as mãos se enrijecerem de tanto forçar a maçaneta sem conseguir nenhum resultado. Sem fôlego, virou e se encolheu com toda a força na porta do quarto. Não pôde evitar cravar os olhos na chave que girava na fechadura do armário.
  Por fim, a chave parou e, impulsionada por dedos invisíveis, caiu no chão. Lentamente, a porta do armário começou a se abrir. Irina tentou gritar, mas sentiu que o ar lhe faltava e não teve forças para articular nem um sussurro.
  De dentro da penumbra do armário, emergiram dois olhos brilhantes e familiares. Irina suspirou. Era o gato. Era só o gato. Por um segundo, pensou que seu coração ia parar de puro pânico. Ajoelhou-se para levantar o felino e percebeu então que, atrás do gato, no fundo do armário, havia mais alguém. O felino abriu a goela e emitiu um silvo grave e estremecedor, como o de uma serpente, para depois sumir na escuridão, com seu amo e senhor. Um sorriso de luz se acendeu nas trevas e dois olhos brilhantes como ouro incandescente pousaram sobre os seus enquanto aquelas vozes, em uníssono, pronunciavam seu nome. Irina gritou com todas as suas forças e se lançou contra a porta, que cedeu diante dela, fazendo com que caísse no chão do corredor. Sem perder um instante, se jogou escada abaixo, sentindo o hálito frio daquelas vozes na nuca."

domingo, 12 de outubro de 2014

[Opinião] O Colecionador de Lágrimas - Augusto Cury


Editora: Planeta

N° de Páginas: 366

Citação:

Não aplaudiria celebridades ou poderosos, mas aplaudo os alunos que saem do silêncio subserviente, que amam expandir o mundo das idéias e procuram ser agentes modificadores da sociedade. Muito obrigado pela paciência de me ouvir. Os loucos também têm algo a dizer."

Sinopse:
  Júlio Verne, um renomado professor de história, acostumado a provocar seus alunos a abandonarem a passividade de meros espectadores, passa a sofrer com terríveis pesadelos. Neles, vê-se dentro dos mais cruéis episódios da Segunda Guerra Mundial e não reage. Inconformado e deprimido com suas atitudes durante os sonhos, o professor busca passar para seus alunos toda a angústia e o sofrimento de um momento tão terrível da história mundial.
  O professor queria não só que seus alunos conhecessem os fatos históricos, mas que descobrissem com profundidade as crueldades das ações de Hitler e como esse homem conseguiu manipular uma sociedade fragmentada de forma tão brutal.
  Se, por um lado, suas aulas vão conquistando plateias cada vez maiores e diversificadas, por outro, o professor acaba incomodando e perturbando a ordem da universidade. E, inexplicavelmente, passa a sofrer perseguições de nazistas que parecem ter saído do túnel do tempo.
  Estaria Júlio Verne com algum problema em sua saúde mental? Qual a explicação para as estranhas cartas recebidas do passado?

Opinião:
  Os livros do Augusto Cury acabam com meu estoque de post-its...
  Nesse livro o autor nos apresenta Júlio Verne, renomado professor de história com doutorado em psicologia, casado com Katherine, professora de psicologia (já deu pra ver que teremos muita psicologia por aqui né? O selo da capa já diz: "Um romance histórico-psiquiátrico [...]"). Júlio começa a ter sonhos onde ele se encontra em alguns episódios da Segunda Guerra, e quando acorda fica inconformado por não intervindo e salvado as vítimas do holocausto, depois disso ele começa a passar para seus alunos lições sobre a personalidade e passado de Hitler, assim como todo personagem do autor, ele incentiva o pensamento crítico dos seus alunos, pretendendo formar mentes pensantes ao invés de repetidores de informações:
"Os professores de história podem incitar o pensamento crítico. A história é a lupa para se enxergar o futuro e corrigir as suas rotas."
  Enquanto disseca a mente do maior psicopata que já existiu fatos estranhos começam a acontecer ao redor de Júlio Verne, cartas estranhas, feitas com materiais existentes durante o período da Segunda Guerra começam a chegar até ele, e vários personagens históricos, famosos nazistas, começam a caçá-lo.
  Uma coisa que me incomodou foi o fato do autor dar alguns spoilers no decorrer da história, tem um grande acontecimento no final do livro e logo nas primeiras páginas ele já dá a entender que acontecimento é esse... tudo bem que da primeira vez que li o livro nem me toquei...
  O livro toca muito na questão do preconceito, ganância e manipulação das massas...fala, exaustivamente, da necessidade de discernimento na escolha de nossos representantes e no quão grande são as chances da história se repetir, e desnecessário falar o quanto temos que impedir que se repita né?!
  A narrativa usada pelo autor pode incomodar algumas pessoas, cheias de termos técnicos e diálogos exageradamente intelectuais, mecânicos demais tornam a leitura um pouco cansativa, mas o fato de esse livro ter muito menos "vamos-você-consegue" do que os outros do autor pode também ser um belo chamariz...
  O autor pesquisou por 10 anos para criar a história, e traz páginas e páginas de referências bibliográficas, de livros sobre as Guerras, da biografia de Hitler... centenas de fatos ocorridos na vida do ditador são apontados na obra, é uma boa pra quem quer entender mais sobre o assunto e não quer ler a biografia (Gigantesca) de Hitler...
  O autor quase nos esmaga com uma avalanche de informações, então se você não procura isso, nem pegue o livro, mas se você tem algum interesse, vai fundo que vale a pena...

Um Comentário com Spoiler
A forma que o autor explica o conceito de viagem no tempo é complexa mas mega convincente, acredito que seja a mais bem explicada que já vi, quando os líderes do projeto falam para Júlio Verne que não têm como ele recusar-se a participar pois, segundo fatos históricos, ele já esteve no passado, o professor diz que isso tira totalmente sua liberdade de escolha, os cientistas dizem que se ele não entrar na máquina um fluxo temporal o sugará para o passado do mesmo jeito... para complicar o paradoxo um pouco, ele têm a missão de voltar e matar Hitler para que o holocausto não aconteça, mas se ele conseguir matar o ditador os cientistas provavelmente nunca farão uma máquina do tempo para que alguém volte e mate ele, assim sendo ele nunca irá para o passado e nunca matará Hitler, mas se ninguém matou Hitler antes do mesmo se tornar chanceler as atrocidades cometidas por ele aconteceram e os cientistas criaram a máquina do tempo e mandaram Júlio para matá-lo... deu pra entender???

sábado, 11 de outubro de 2014

[Enquadrando] Os Novos Vingadores: Motim


HQ ♦ Salvat ♦ Marvel ♦ Os Vingadores

 E abusando do "poder" do destino temos Brian Michael Bendis... novamente...
  A história de Os Novos Vingadores: Motim se passa seis meses depois de Vingadores: A Queda, onde, como já disse na postagem desse, a equipe se desfez...
  Essa história começa com Jéssica Drew, Luke Cage e Matthew Murdock (ponto pra quem souber que outros nomes esses personagens usam) indo fazer uma verificação de segurança na Balsa, o presídio de segurança super-máxima que sofre falhas de segurança, rebeliões e fugas sempre que é ao menos mencionado em uma história. Como era de se esperar a segurança da prisão é comprometida (juuuuura?) e vários super-vilões fogem... enquanto os acima mencionados tentam conter os criminosos fugitivos outros heróis vão chegando, até que juntos conseguem colocar alguns fugitivos de volta em suas celas... quase meia centena conseguem escapar.
  Steve Rogers então propõe a Tony Stark que formem uma nova equipe de vingadores com o pessoal que participou da "batalha de contenção" na noite da fuga em massa da balsa, devido ao trágico fim da primeira equipe de Vingadores Stark reluta em aceitar, mas logo a equipe é formada e eles saem para completar outras missões.
  Um dos novos integrantes dos Vingadores é o Homem-Aranha, o que significa que teremos momentos cômicos.
  É bacana ver o entrosamento dos novos membros com os vingadores veteranos (Homem de Ferro e Capitão América), algo que vimos um pouco no filme dos Vingadores, pessoas que mal se conhecem e precisam trabalhar juntas por um bem maior... é como começar em um novo emprego, pode acontecer de você ser o único novato e ter que se inserir na equipe pra que o trabalho possa ser feito... ou podem ter seis novatos (se alguém trabalha comigo vai saber do que eu tô falando) e precisa haver uma interação muito maior, afinal praticamente ninguém se conhece, ninguém tem muita familiaridade com o trabalho que precisa ser feito...
  Acho que o principal ponto da história é realmente o trabalho em equipe, a necessidade de interação (sei trabalhar em equipe... só não gosto de me socializar muito com o povo) entre os membros da mesma... uma grande máquina com muitas peças que precisa que todas estejam trabalhando direito para funcionar...

Talvez te interesse...

  Essa história se passa depois de Jéssica Jones ter desistido da vida de super-heroína por causa da gravidez

Sinopse da edição

Embora Os Maiores Heróis da Terra tenham se separado, ainda existem ameaças gigantescas demais para serem enfrentadas por um único herói. Quando a prisão de segurança máxima conhecida com A Balsa torna-se alvo de um motim de supervilões, um novo grupo de heróis precisa surgir e responder ao chamado de batalha.
Prepare-se para conhecer Os Novos Vingadores!

refazendo novamente o sorteio refeito do melhores do ano #5 (última tentativa)

  Finalmente alguém que, acredito, está viva e vai mandar o endereço pra mim poder mandar esse livro...
Michelly... 5 dias pra me mandar o endereço ;)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

[Breve Comentário] The Leftovers 1 Temp. + Melhores do ano #7


  No dia 29 de Junho desse ano, estreou na HBO a série baseada no livro Os Deixados Para Trás do Tom Perrotta, a primeira temporada da série terminou a pouco menos de um mês e hoje venho aqui fazer um breve comentário sobre essa temporada...
  A série tem como base o evento conhecido como Partida Repentina, acontecido em 14 de Outubro (o ano só Deus sabe) onde 2% da população mundial simplesmente desapareceu. Ah, Rudi, é o arrebatamento? Temos fortes indícios de que não, não se trata do arrebatamento, o fato é que várias pessoas desapareceram e ninguém sabe o porquê ou para onde foram.
  O foco principal da série não é sobre os que partiram ou para onde foram, e sim, como o próprio nome sugere, os que ficaram para trás, temos uma família de protagonistas, Kevin Garvey é o pai dessa família, chefe de polícia com o pai (antigo chefe de polícia) confinado em um hospital psiquiátrico, depois do 14 de outubro muita coisa na sociedade mudou, quem perdeu os provedores das família recebe ajuda do governo, novas seitas surgiram e toda a população está ferida, Kevin mora com a filha, Jill e a amiga dela Aime, seu filho, Tom, partiu seguindo um suposto profeta capaz de tirar a dor das pessoas e sua mulher, Laurie, se juntou aos Remanescentes Culpados, uma seita que surgiu depois da Partida Repentina.
  Jill tem as típicas atitudes de uma adolescente rebelde que não se dá bem com o pai, mas diversas vezes podemos ver que é uma menina fragilizada, que sente falta do irmão e a dor do abandono da mãe mantém a ferida sempre aberta, Aime é uma incógnita, tanto no livro quanto no filme... se não me engano no livro fala que ela não fica morando com os Garvey, vai ficando aos poucos até morar lá definitivamente, enquanto na série a única casa que ela tem é a dos Garvey...
  Laurie, a mãe de Jill, se juntou aos RCs (Remanescentes Culpados) uma seita bem bizarra, eles não se olham no espelho, não se permitem qualquer conforto, só usam branco, fumam que é um absurdo, seguem as pessoas nas ruas... não me lembro direito o porquê de tudo isso mas eles tem escrito em seus covis centros "nós fumamos para proclamar a nossa fé", eles são lembretes vivos de que a sociedade como era conhecida não existe mais todos os conceitos de família se tornaram obsoletos e esse tipo de "locuragem" .
  Eu não conhecia nenhum dos atores que aparecem na série, mas gostei muito da atuação de cada uma, não são exatamente como os imaginei ao ler o livro (principalmente a Christine) mas incorporaram muito bem os personagens.
  A história não é 100% fiel ao livro, o que já era esperado, teve muita coisa nova que funcionou muito bem e muita coisa que ficou de fora, diversos acontecimentos importantes foram mantidos, alguns exatamente iguais e outros levemente modificados para dar coesão à história... claro que outras coisas forma tiradas [Spoiler] Como, por exemplo, o abaixo assinado dos habitantes da cidade para que Kevin se tornasse prefeito.
  Tenho muito medo de dar spoilers (sem camuflá-los) então vou parar por aqui...
  Quem acompanha o blog a algum tempo sabe que Os Deixados Para Trás, livro que deu origem a série, foi um dos que mais gostei dentre os que li em 2013, assim sendo ele está entre os Melhores de Ano, assim sendo eu preciso sorteá-lo... e que momento melhor para fazer isso do que agora, enquanto falo da primeira temporada da série?

  O livro tem três capas diferentes... a rosa (que é a que eu tenho/li) e a azul mostram muito bem o que aconteceu com o pessoal que sumiu... eles sumiram... e a cinza (inspirada na série) mostra o desespero dos que ficaram... qual delas eu vou sortear? No dia do resultado eu falo qual é... ou não... :p
  Por falar em resultado: Todos os seguidores públicos do blog até o dia 30/10 estarão participando... o resultado sai dia 01/11... boa sorte a todos...

sábado, 4 de outubro de 2014

[Marca Texto] O Colecionador de Lágrimas - Augusto Cury

  Hoje vou fazer um Marca Texto diferente...
  O Colecionador de Lágrimas é um livro que li ano passado e gostei muito, apesar da agonia de ter que esperar a continuação... o segundo volume já saiu a um tempinho... mas resolvi reler o primeiro porque já não me lembrava de muita coisa... como ele ficou um tempo emprestado essa releitura vem andando bem de vagar, quase parando... mas como amanhã é dia de eleição, resolvi compartilhar com vocês três pequenos trechos que falam um pouco de política (e o perigo de decisões erradas) presentes nesse livro...
"Os piores monstros são especialistas em esconder suas garras."
  O que isso tem a ver com as eleições? É mais um toque, pra pesquisar mais... não sair votando no que parece ser o mais bonzinho, descente e blé... uma pesquisa aprofundada é necessária...
"Todo político é um empregado da sociedade pago com o dinheiro do contribuinte, ter sucesso é sua obrigação e não objeto de exaltação. O político que não se posiciona como servo da sociedade, mas se serve dela, não é digno do cargo que ocupa."
  Acho que não preciso falar nada né... quantos e quantos detentores de cargos públicos se servem da sociedade? Quantos fizeram o possível para serem eleitos só para (com o perdão da linguajem) mamar nas tetas da sociedade?
"Na mente de Hitler convivia simultaneamente o vampiro social e o artista, o monstro e o menino. O carisma e o terror, a afetividade e a destrutividade andavam lado a lado. Essa é a mente do maior tirano da história, que foi eleito pelo voto e que penetrou no tecido emocional da sociedade, seduziu-a e produziu dezenas de milhões de cegos seguidores. Que sociedade moderna teria força para expurgá-la?"
  O livro é, entre outras coisas, uma análise profunda do comportamento de Hitler, o autor pesquisou por dez anos para criar sua história, e dentre as várias coisas que eu nunca tinha me tocado está o fato de que Hitler foi escolhido pelo povo, eu sabia que ele tinha sido chanceler antes de se tornar o terceiro reich da Alemanha, mas nunca tinha parado para pensar, o povo escolheu ele! Ele seduziu milhões de pessoas e moldou o pensamento delas, fazendo com que concordassem cegamente no massacre de milhões de judeus, negros, homossexuais e doentes mentais... e não vissem problema nisso... temos que ter muito cuidado com quem colocamos no poder... muitos "Hitlers" podem se levantar, ainda nos dias atuais...

Novo sorteio: Melhores do ano #5

  Pra variar a vencedora do sorteio não deu as caras, então cá estou eu para sortear de novo o livro Traição em Família, do David Baldacci...

  Vamos ver se os homens agem mais, (ou ao menos mostram que estão vivos) Igor, você tem até o dia 10 pra me mandar seu nome e endereço... o livro será enviado até 40 dias depois da confirmação de que você ainda vive do endereço (envie para rudimar7@gmail.com)

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

[Opinião] Carrie, a Estranha - Stephen King

Editora: Suma de Letras

N° de páginas: 200

Citação:

Mas a expressão "sinto muito" é o xarope das relações humanas. É o que se diz quando se derrama uma xícara de café ou se joga uma bola fora numa partida de boliche com as garotas da turma. Mas sentir realmente o que aconteceu é raro  como o amor verdadeiro. Já não sinto muito a morte de Tommy. Ele se parece demais com uma fantasia que tive. Talvez você ache isso cruel, mas muita água já passou por baixo da ponte desde a Noite do Baile."

Sinopse:
Carrie é uma adolescente tímida e solitária. Aos 16 anos, não pode viver os prazeres e as descobertas dos jovens de sua idade. Dominada pela mãe, uma fanática religiosa que reprime qualquer manifestação de vida, Carrie acredita que tudo é pecado. Viver é enfrentar, a cada dia, o terrível peso da culpa.
  Para os colegas de escola, até mesmo para os professores, ela é uma menina estranha, incapaz de conviver com os demais. Dia a dia mais isolada, sofre com as piadas maldosas e o deboche. No entanto, há um segredo por trás de sua aparência frágil: Carrie tem poderes sobrenaturais, e com a simples força do pensamento é capaz de mover objetos. Esse é seu jogo particular, duramente reprimido como tudo mais em sua vida.
  No fatídico dia de sua formatura, um ato de bondade ofereceu a Carrie uma outra forma de enxergar a si mesma. Porém, outro ato - de absoluta crueldade - provocou uma irremediável reviravolta e transformou seu jogo secreto em uma arma de horror e destruição. Chegou a hora do acerto de contas.

Opinião:
  Tenho um sério problema com textos de autores que são colocados como posfácio do livro mas que foram escritos vários anos depois do lançamento do mesmo.... costumo gostar mais deles do que do livro em si... Como (acredito que) todo mundo sabe, a Suma está relançando os livros do mestre SK, como capas novas, papel amarelo e letras grandes (aproposito, esse é o primeiro livro do SK que leio com páginas amarelas e uma letra de tamanho decente) e estão colocando essas introduções (a desse foi escrita a mais de 10 anos mas o livro foi escrito a 40 então...) Nessa introdução o autor fala de onde veio a inspiração para o livro...
  Carrie (título original) foi o primeiro livro do autor que até então só escrevia contos, e provavelmente é o livro mais fino que ele escreveu também (sério... tive uma pontada de frustração quando o livro chegou e vi que era tão pequenino) e por ser o primeiro podemos ver sutis diferenças das outras obras dele, a narrativa me pareceu um pouco mais travada e em alguns momentos ele joga uma avalanche de informações sobre os mais diferentes assuntos na nossa cara.
  Apesar de a narrativa ser levemente diferente não tem como ler e não perceber que foi escrito por ele, com os pensamentos de personagens cortando uma frase da narrativa ao meio ou o fato de construir os personagens e até lugares contando acontecimentos do passado de cada um que não tem absolutamente nada a ver com a história (mas que nos dá a sensação de serem reais).
  Já houve três adaptações cinematográficas para essa história, a primeira em 75, se não me engano (e que eu não assisti), um de 2002, que passa exaustivamente no sbt (e dos que eu vi foi o mais fiel, incluindo nas interrupções da narrativa linear para mostrar lembranças e depoimentos de sobreviventes) e um de 2013, que é mais assustador (e bom) do que o de 2002 mas não chega aos pés do livro no termo "chega disso, vou dormir antes que piore."
  Na minha opinião o livro não tem apenas um ponto de reflexão... ele fala de bullying, de fanatismo religioso, hipocrisia, timidez e aceitação... não vou me aprofundar em cada tópico porque é interessante percebê-los no decorrer da leitura...
  Como já disse os personagens são extremamente bem construídos, o livro é dividido em três partes, não possui capítulos, e na primeira parte é basicamente a apresentação do cenário e dos personagens (acho que foi a Tati Feltrin, que todo mundo conhece, não é possível, que falou que o Stephen King demora para construir o cenário mas quando chega no horror é incrível) nessa primeira parte eu já percebi que prefiro ficar uma semana no Overlook do que um dia com Margaret White (entendedores entenderão), na segunda parte, chamada A Noite do Baile, conta, obviamente, a noite do baile e tudo que aconteceu e... é tenso... a terceira parte se chama Os Escombros, que não é difícil de imaginar sobre o que fala...
  Pensei em tirar uma estrela devido a finura do livro assim que vi ele, mas mudei de ideia porque ele foi tão incrível que não pude tirar nada, não seria justo...
  PS: Acho importante dizer que antes de Carrie ser convidada para o baile já sabemos quem vai continuar vivo depois do evento e quem não, o autor nos conta tudo de antemão...

Um Comentário com Spoiler
É assustador o fato de que, diferente dos filmes, Carrie tem total consciência do que está fazendo quando mata todo mundo e destrói a cidade, ela põe fogo no ginásio e quando ouve os bombeiros se aproximando ela esvazia os hidrantes para que não apaguem o fogo, o momento em que ela entra em casa e diz: "Mamãe, eu vim te matar" dá um gelo e quando a mãe começa a conversar com ela não sei de quem tive mais pavor...

resultado: melhores do ano #6

   Oi minha gente....
   antes de divulgar o resultado queria pedir desculpas:
   primeiro porque a foto da lista ficou pequenina
   segundo porque a qualidade dessa imagem está terrível (só tô tendo o paint, vão ter que me perdoar)
   e terceiro porque essa deveria ter sido uma semana especial, recebi o material para fazer um especial de lançamento do livro A Lenda e acabei me perdendo na vida e não fiz... mas vocês podem ver que livro é esse clicando aqui 
  e vamos ao resultado:

  Não sei se deu pra ver mas a vencedora é Lila Lohane.
  Lila, espero seu contato pelo e-mail rudimar7@gmail.com

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

TAG: Viajando na Leitura

  E aí meu povo?
  Hoje vim responder uma TAG para a qual fui indicado pela Jô do Coisas que eu sei que sei (adoro esse nome) a TAG foi criada pela Larissa do blog Tão bom quanto pizza (outro nome incrível :p ) vamos à ela?

1. Um livro que te levou a um século passado


  Considerando que o presente século não tem nem 14 anos praticamente 90% dos livros que li se passaram em outros séculos... mas para ir um pouco mais longe escolhi o livro Rei Arthur, de Frank Thompson, um livro que li antes de criar o blog, por isso não falei dele aqui, mas é um livro que não morri de amores por ele (poderia ter escolhido qualquer um da série Assassin's Creed, que são bem mais interessantes), esse livro conta uma história bem mais crível sobre o "rei" Arthur, inclusive tem filme... que eu comecei a assistir mas achei nhé demais pra terminar....






2. Um livro que fez você viajar em uma história clássica de uma maneira diferente

  Vou dar uma roubadinha :p, não é bem uma história clássica mas é a história da Segunda Guerra, e A Menina que Roubava Livros me fez ver quantas pessoas esse evento alcançou (de certa forma alcança a todos nós até hoje)











3. Um livro que te levou para outro país

  Novamente uma enorme quantidade de opções, mas escolhi um país que não tinha a mínima vontade de conhecer, mas que depois da leitura de Marina, do Zafón, fiquei fascinado pela Espanha, provavelmente devido a escrita maravilhosa do autor mas enfim...






Opinião sobre o livro clique aqui.





4. Um livro que te levou a um futuro distante

  Dentre as várias distopias que li a que me pareceu requerer mais tempo para acontecer foi O Doador de Memórias, da Lois Lowry, apesar de ser muito bacana e começar como uma utopia e não o contrário, eu custo acreditar que a humanidade chegaria a esse ponto.



Opinião sobre o livro clica neu \o/









5. Um livro que te levou para outro estado do seu país


  Infâmia, além de me levar a outros países me levou também para o Rio de Janeiro, um estado que não tenho a mínima vontade de conhecer :p





Opinião sobre o livro clique aqui








6. Um livro que te deu uma bela ressaca, como se você tivesse passado a noite fora ao invés de ficar em casa lendo


  Sem nem parar para pensar, sem sombra de dúvida foi o Traição em Família, do David Baldacci, livro que já sorteei aqui no blog mas a vencedora não deu sinal de vida (aproposito, já viu a enquete no canto superior direito do blog?)






Opinião sobre o livro aqui (leve em consideração que foi uma das primeiras)






7. Um livro que te levou para outra dimensão


Tá, aqui já não tinha tantas opções, mas dentre as que tinha resolvi ficar com a série da Torre Negra (aqui representada pelo primeiro livro) li até o quarto livro da série (até o presente momento) e ele leva não só até a dimensão do Mundo Médio (sim, é inspirado na Terra Média do Tolkien) mas a várias outras dimensões com diferenças sutis da nossa.



Opinião sobre os livros da série:



8. Um livro que te levou a um grande evento histórico do passado

  Como já falei da Segunda Guerra, agora vou falar da Primeira, que apesar de ser ofuscada pela segunda foi, provavelmente, ainda mais importante já que se ela não tivesse acontecido a Alemanha não teria sido vencida e submetida ao tratado de... Versalhes (é o de Versalhes né?!) e se esse tratado não existisse, talvez (não com certeza) os Alemães não teriam sido tão fracos psicologicamente para serem convencidos por um austríaco que eram uma raça superior e ainda por cima praticarem tantas atrocidades em defesa a isso, mas voltando ao livro :p Ele se passa durante a Primeira Guerra (na verdade depois com flash backs da guerra... e a capa é feíssima.


Opinião sobre o livro aqui





9. Um livro que te levou para visitar uma pessoa que você queria conhecer na vida real

  Apesar do título super auto-ajuda e até ser um pouco assim (afinal, toda auto-biografia tem um pouco de "olha eu consegui, então você também consegue"), uma pessoa que eu adoraria conhecer é o Nicholas, esse cara é um exemplo de superação e é simplesmente hilário, tenho certeza que daríamos muita risada juntos.




Opinião sobre o livro (super melancólica, a opinião, não o livro) aqui







10. Sua melhor viagem literária

  Poderia ter colocado no terceiro tópico mas eu sempre quis conhecer a Austrália (quando pequeno exclusivamente por causa dos cangurus e ornitorrincos) e além de se passar no país que mais quero conhecer esse livro é simplesmente incrível :3














  Segundo as regras eu tenho que indicar cinco blogs para responder essa TAG, mas vou dar mais uma roubadinha e indicar apenas  dois....
Meus indicados são a Nina do Nina & Suas Letras
e o Renato do Realidade Caótica



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...