quarta-feira, 27 de maio de 2015

[Opinião] O Guia Do Mochileiro das Galáxias - Douglas Adams

Editora: >>Arqueiro>

N° de Páginas: 204

Citação:
Uma das coisas que Trillian achava mais difícil no seu relacionamento com Zaphod era saber quando ele estava fingindo ser burro só para desarmar as pessoas, quando estava fingindo ser burro porque estava com preguiça de pensar e queria que os outros fizessem isso por ele, quando estava fingindo ser terrivelmente burro para ocultar o fato de que não estava entendendo o que estava acontecendo e quando realmente era burrice mesmo."

Sinopse:
  Considerado um dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, O Guia do Mochileiro das Galáxias vem encantando gerações de leitores ao redor do mundo com seu humor afiado.
  Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Perfect.
  A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Perfect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário.
  Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da "alta cultura" e de diversas instituições atuais. Seu livro, que trata em última instância da busca do sentido da vida, não só diverte como também faz pensar.

Opinião:
  Antes de mais nada, muito obrigado Michelly, por falar que esse livro é a minha cara, estou grandemente lisonjeado :3
  Já faz um tempinho que tinha esse livro, uns 3 meses, se não me engano, e estava lá... parado... debaixo de Cem Anos de Solidão, que também está lá... parado... debaixo de... ah, isso vai muito longe, deixa pra lá! - Então chegou o dia 25 de maio, e fiquei sabendo que além de ser o dia do Orgulho Nerd é também o #DiadaToalha, e resolvi e resolvi entender o porquê de ser "dia da toalha" e aproveitar pra conhecer melhor a "bíblia nerd".
  Sabe quando você tem grandes expectativas para um livro mas ele não te decepciona? Pelo contrário, ele vai além de tudo o que você esperava? Pois é, esse é um dos raros casos...
  Eu sabia que tinha um quezinho de ficção científica e de comédia, mas achava que era algo mais escrachado, com piadas bestas e sem referência nenhuma, ledo engano.
  O autor usa a destruição da Terra e as viagens espaciais do personagem para criticar diversas coisas do nosso cotidiano, falando do poder aparente dos políticos, da burocracia que se mostra presente em todo e qualquer projeto, e da enganação do homem comum.
  O livro ainda trata sobre o Sentido da Vida, o tão procurado sentido da vida, trazendo a resposta para a grande pergunta sobre A Vida, O Universo e Tudo Mais... mas não a pergunta (sacada de mestre Adams).
  Mostrando as relações humanas entre os personagens (que em sua maioria nem são humanos) o autor mostra que nunca agradaremos a todos, temos dois robôs odiados na história, um por ser maníaco-depressivo (melhor personagem do livro) e outro por ser incrivelmente simpático e solícito...
  Uma obra maravilhosa que nos faz refletir sobre os mais variados temas além de nos arrancar boas risadas com situações absurdas e um humor altamente refinado.


PS: Não consigo tirar da cabeça que Ford Prefect é um macaco (um pequeno planeta perto de Betelgeuse? Alguém aí leu O Planeta dos Macacos?)
PS²: O título dos outros livros da "trilogia" fazem muito mais sentido agora
PS³: Eu sei que ele não liga muito pra quão absurdo ou improvável é o acontecimento (mas as coisas improváveis são muito bem explicadas), isso não torna o livro menos genial...

segunda-feira, 25 de maio de 2015

[Opinião] O Cavalo Amarelo - Agatha Christie

Editora: L&PM Pocket

N° de Páginas: 250

Citação:

Sinto que Thyrza Grey sabe de algo, descobriu algo ou ouviu falar de algo e agora usa isso num emaranhado louco para engrandecer sua própria importância e controle dos poderes ocultos. As pessoas se orgulham demais da maldade. Não é estranho que as pessoas nunca se orgulhem de ser boas? Nisso consiste a humildade cristã, acredito, as pessoas nem sabem que são boas.

Sinopse:
  Um padre assassinado de maneira brutal. Pessoas que adoecem misteriosamente. Mulheres que dizem ter poderes paranormais. Esses são alguns dos enigmas que assombram um vilarejo na zona rural inglesa. A chave deste segredo está relacionada a uma lista de nomes. Para desvendar essa trama, Mark Easterbrook, um escritor em busca de inspiração, conta com a ajuda de seus amigos, entre eles, a famosa autora de romances de mistério Ariadne Oliver, numa aventura que pode ser fatal.

Book Trailer:

Opinião:
  Já vi muitas vezes, e em muitos lugares, que a terceira tentativa é o que conta. E isso retrata exatamente a minha experiência com Agatha Christie. O primeiro livro que li dela foi Assassinato no Expresso do Oriente, que tinham me falado ser um dos melhores, e foi uma decepção dantesca, em seguida eu li Natal de Poirrot, que como já tinham ma falado que era o pior da autora, fui totalmente sem expectativa, e mesmo não achando lá essas coisas gostei mais do que do primeiro. E na minha terceira tentativa com a autora, finalmente encontrei algo realmente bom.
  O Cavalo Amarelo conta a história de Mark Easterbrook, um escritor que se envolve na investigação do assassinato de um padre porque está sem inspiração para escrever... Esse padre foi encontrado morto em um beco com uma lista de nomes, esses nomes são de pessoas que morreram devido a doenças mas que alguém se beneficiou com suas mortes. Seguindo as pistas ele chega até O Cavalo Amarelo, um antigo pub que agora é o lar de três senhoras que se julgam bruxas especialistas em Eliminação de Pessoas Indesejadas.
  A partir daí o livro segue com os personagens tentando descobrir se o que as "bruxas" dizem serem capazes de fazer realmente são capazes de fazer, tentando achar provas de que elas realmente fazem as pessoas adoecerem e morrerem...
  É ótimo acompanhar Mark enquanto ele tenta juntar as peças do mistério sem ter certeza se acredita ou não nos poderes malignos das bruxas.
  Os personagens são bem construídos e cativantes, com diálogos extremamente interessantes sobre o comportamento humano e suas crenças, além de literatura e da fascinação causada pelo mistério.
  A narrativa da autora é agradável e de fácil compreensão, e mesmo não sendo a mais cativante de todas ela compensa muito bem com os diálogos, que como já disse, são incríveis.
  A única coisa que me incomodou no livro foi a "solução mágica" de toda a trama... sei que todo livro policial tem uma reviravolta, e essa não foi diferente, mas as pistas não deram a impressão de se juntarem, parece que a autora cansou de conduzir a história e meio que falou: "Ah, já tá bom né?! O culpado de tudo é o fulano!"
  Apesar de a explicação ter ficado até que satisfatória, tudo me pareceu meio forçado, mas isso não muda o fato de o desenrolar da história (exceto o final) ter sido bastante bacana e ter até me causado uma certa tensão.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

[Lista] Séries não concluídas

  Oi meu povo, hoje vim listar as série que comecei mas ainda não terminei, vou dividir em duas categorias, as que quero terminar e as que não faço muita questão, como diz uma divertida repórter da Record (que acho que agora está na Band), bora lá?
  Aproposito, clique nas fotos que vocês serão direcionados para os sites de onde as tirei ;)

Séries que pretendo terminar

  Podem falar, duvido que alguém imaginou que eu ia colocar essa como primeira na lista né :p
  A Torre Negra, é uma (imensa) aventura épica que narra a jornada de Roland e seu ka-tet (um formado por vários) em busca do centro da criação, a Torre Negra, que está correndo o risco de cair e levar consigo todos os mundos.
  O grupo de protagonistas (o último pistoleiro de seu mundo, com uma negra sem pernas com transtorno de múltipla personalidade e um garoto, que morreu umas três vezes, as ao mesmo tempo nunca morreu, sim, é confuso) passa por diversos mundos para chegar ao seu destino, já que o véu que separa as dimensões está se desgastando e rasgando.
  É uma história que reúne faroeste, suspense, fantasia e um toque especial do terror característico do autor, que é ninguém menos do que o mestre Stephen King. Pausei minha leitura porque a história é repleta de referências a outras obras do autor, então quero aumentar a minha bagagem para só então voltar a seguir o caminho do Feixe de Luz.
  Até agora li quatro livros da série: O PistoleiroA Escolha dos TrêsAs Terras Devastadas e Mago e Vidro.

  Nem vou falar muito de A Crônica do Matador do Rei porque, se você conhece alguém que leu, você conhece alguém que amou... simples assim, até hoje eu só li o primeiro livro O Nome do Vento, e simplesmente amei... Foi um daqueles livros que te leva para outro mundo e você não quer mais sair.
  A série, que na verdade é uma trilogia, já possui um livro extra, que de tão pequeno é até estranho que tenha sido escrito pelo mesmo autor, mas ainda não tem o terceiro, e provavelmente último, o que dá uma aflição para quem gostou tanto da história (que é basicamente todo mundo que leu) se você conhece alguém que tenha lido e não tenha amado, por favor me apresente que quero que ele me convença que esse livro não é excepcional...
  E só pra causar uma polemicazinha eu preciso falar: Hogwarts (nem sei se é assim que escreve) é para os fracos, os fortes frequentam a Universidade e são membros do Arcanum u.u

  Outra série que pretendo muito terminar é a série do Myron Bolitar, até porque quero ler a do Mickey Bolitar, sobrinho do Myron, mas o primeiro da série dele tem spoilers do último dessa série...
  A série possui 10 livros, mas 2 ainda não foram traduzidos, e a editora arqueiro fez uma bagunça bonita no lançamento desses livros, primeiro lançou os dois últimos e depois começou do primeiro, e ainda tem um que foi lançado por outra editora...
  É uma série policial onde você não precisa ler os livros em sequência, mas depois de ler o priemiro quero ler ela na ordem, a partir de agora, até agora só li três livros dessa série, e vou deixar minha opinião sobre eles linkados na lista da ordem cronológica deles aqui embaixo:
  1.  Quebra de Confiança (último que li)
  2. Jogada Mortal
  3. Sem Deixar Rastros (2° que li)
  4. O Preço da Vitória (1° que li)
  5. Um Passo em Falso
  6. ?
  7. ?
  8. A Promessa (Lançado pela ARX)
  9. Quando Ela se Foi
  10. Alta Tensão
  Outra série policial, dessa vez protagonizada pelo detetive aposentado David Gurney, e escrita pelo incrível John Verdon.
  Diferente da série do Harlan Coben, essa você deve sim ler na ordem cronológica já que os livros possuem sim spoilers dos anteriores.
  E são uma coisa linda de Deus *.....* Se você gosta de suspense policial, thriller investigativo (sei lá qual é a forma correta de chamar isso...) vai se encantar por esses livros, até agora só foram lançados os 3 primeiros aqui no Brasil: Eu Sei O Que Você Está Pensando (incrível), Feche Bem Os Olhos (um dos melhores livros que já li em toda a minha vida) e Não Brinque Com Fogo (levemente decepcionante, principalmente se comparado aos outros), eu li em algum lugar que esse ano será lançado o quarto volume, intitulado Peter Pan Tem Que Morrer, usando as palavras do Gabryel: Ansiedade reina em mim.


  Apesar de não ter morrido de amores pelo primeiro livro da série Os Legados de Lorien (Eu Sou o Número Quatro), quero muito continuar com ela porque a ideia é bacana e já ouvi dizer que a série só melhora conforme vai passando, já temos cinco livros lançados no Brasil, e não tenho ideia se isso é a história completa, provavelmente tem mais um, segundo a minha teoria de que é um livro para cada uma das 9 crianças, exceto as três que morrem antes do primeiro livro....









  A série Assassin's Creed é uma que é complicado dizer que quero ler inteira... ela é do tipo que, enquanto estiverem lançando novos jogos o autor vai escrever novos livros...
  Atualmente a série está com 7 livros, já li 6 e tenho o sétimo aqui na minha frente, só esperando a sua vez, já temos:
Renascença, Irmandade, A Cruzada Secreta, Revelações (o melhor, de longe), Renegado, Bandeira Negra e Unity (que é o que está me olhando, pedindo para ser lido)
  Não me surpreenderia se saísse um livro de contos, baseado em Assassin's Creed: Chronicles além de mais um romance com a história do mais novo jogo (que nem sei se já foi lançado), o Syndicate. Não são os melhores livros do mundo mas eu me divirto muito lendo eles.


  Acho que não é segredo pra ninguém que me acompanha que o primeiro livro da "trilogia" Maze Runner, o Correr ou Morrer, foi uma bela de uma decepção, mas gostei pra caramba do filme, que não tem toda a enrolação e enchimento de linguiça de frango sem tempero (sério, vocês já comeram linguiça de frango sem tempero? É horrível) que tem no livro, e essa semana (acho que foi essa semana) saiu o trailer do segundo filme, e parece ser bacana, e como o final do primeiro livro não foi tão ruim quanto o começo e o meio pretendo sim continuar a série, provavelmente será a próxima leitura que irei iniciar.

Séries que Não faço questão de continuar

  Apesar das capas lindas A Saga do Tigre passará bem longe da minha estante se eu puder evitá-los.
  A ideia é ótima, isso eu admito, apesar de achar que os príncipes foram acometidos da melhor maldição do mundo, vida e juventude eternas, ser um tigre que pode se transformar em humano a hora que quiser (por um período de tempo limitado, mas enfim)
  A autora estragou a ótima ideia que teve colocando uma personagem absurdamente chata e mimizenta para narrar a história, que se tornou absolutamente intragável.










  Ignoremos o fato de os dois últimos livros, na foto, estarem com o nome em inglês e os outros em português...
  Li o primeiro volume dessa série nos 45 do segundo tempo de 2014, e achei tão... blé, que nem falei dele no blog, e, apesar de ter o segundo volume aqui em casa (estou tentando a todo custo trocá-los) não tenho a mínima intenção de continuar com a série.





  Mais uma vez uma série com capas incríveis, desisti totalmente de Só Perguntas Erradas após ler o primeiro volume: Quem Poderia Ser a Uma Hora Dessas?, que achei bem besta, com piadas introduzidas à força na história (imagino as piadas como pessoas, obrigadas a se apresentarem com uma arma apontada para suas cabeças e nervosas a ponto de não conseguirem fazer nada direito).
  Se não me engano esse mês sai o terceiro livro da série, que acho que se chama "Você não deveria estar na escola?"

  E é isso minha gente, tem outras séries que apesar de eu não ter muita vontade de continuar ainda não abandonei de vez a possibilidade, então não coloquei ela aqui, em nenhuma das categorias... talvez eu faça uma outra lista só pra essas em algum momento...
  E vocês? Estão querendo me matar por não achar sua série favorita lá essas coisas? Que séries vocês pararam pela metade? Conversem comigo nos cometários ;)

quarta-feira, 20 de maio de 2015

[Opinião] Um Lugar Chamado Liberdade - Ken Follett

Editora: >Arqueiro>

N° de Páginas: 397

Citação:
voltou a sentir-se bem. Aquela era a última vez que limparia pó de carvão da pele: nunca mais precisaria voltar a descer uma mina. Para ele, a escravidão ficara para trás. à sua frente, estendia-se Edimburgo, Londres, o mundo. Conheceria pessoas que nunca tinham ouvido falar da mina de Heugh. Seu destino era uma folha de papel em branco na qual ele poderia escrever o que bem entendesse."

Sinopse:
  Desde pequeno, Mack McAsh foi obrigado a trabalhar nas minas de carvão da família Jamisson e sempre ansiou por escapar. Porém, o sistema de escravidão na Escócia não possui brechas e a mínima infração é punida severamente. Sem perspectivas, ele se vê sozinho em seus ousados ideais libertários.
  Durante uma visita dos Jamisson à propriedade, Mack acaba encontrando uma aliada incomum: Lizzie Hallim, uma jovem bela e bem-nascida, mas presa em seu inferno pessoal, numa sociedade em que as mulheres devem ser submissas e não têm vontade própria.
  Apesar de separados por questões políticas e sociais, os dois estão ligados por sua apaixonante busca pela liberdade e verão o destino entrelaçar suas vidas de forma inexorável.
  Das fervilhantes ruas de Londres às vastas plantações de tabaco da Virgínia, passando pelos porões infernais dos navios de escravos, Mack e Lizzie protagonizam uma história de paixão e inconformismo em meio a lutas épicas que vão marcá-los para sempre.

Opinião:
  Adoro quando meu primeiro contato com um autor é tão bem aproveitado...
  Como diz a sinopse, o livro gira em torno de Malachi McAsh e Elizabeth Hallim, que em seus encontros e desencontros rumam em busca de suas respectivas liberdades, ele para deixar de ser escravo e poder viver trabalhando honestamente sem pertencer a ninguém como se fosse um objeto, ela para poder fazer o que bem entende e se vestir da forma mais confortável, sem ter que ser repreendida a cada passo com as palavras "Uma dama não deveria fazer isso!"
  A narrativa é agradável e flui bem, não é a mais acelerada do mundo mas você mata umas 20 páginas em 10 minutos fácil, fácil... Além de ser detalhista na medida certa, criando cenas convincentes que se formam instantaneamente na mente do leitor.
  A edição do livro está linda, pela foto não dá pra ver mas a capa tem um efeito de papel velho, já quebradiço e as letras são de um tamanho agradável, e durante as quase 400 páginas eu encontrei poucos erros de português, se não me engano foram apenas três, uma palavra repetida aqui, uma letra faltando ali, nada que torne a frase incompreensível.
  A história é muito bem amarrada e apesar da frase da capa já deixar claro que Lizzie e Mack vão acabar juntos o autor não fica focado no romance e nos conta, principalmente a aventura e a luta pela liberdade travada pelos dois, de diferentes formas.
  Algumas coisas acabaram me incomodando, como o fato do autor não conseguir passar dois capítulos sem tirar toda a roupa de pelo menos um dos dois protagonistas, e o fato de Mack não poder saber da existência de um ser humano que ficava... bem... Feliz! Em vários momentos o autor faz alguns personagens se atracarem (no sentido de atracamento que constantemente leva à procriação) e dava muitos, mas muitos detalhes mesmo, do ato praticado pelos personagens, não gosto de livros eróticos e isso acabou me desmotivando um pouco no decorrer do livro.
  Outra coisa na qual acho que o autor pecou um pouco foi na caracterização da época, a história se passa na década de 1760, a apesar do autor, em grande maioria do livro, retratar muito bem os cenários e costumes da época, tanto que nos sentimos transportados para a época descrita, em outros momentos ele acaba fazendo os personagens usarem expressões bastante recentes, que na década de 1990 ainda não se ouviam.
  Apesar dos momentos de pornografia desnecessária e uns poucos deslizes aqui e ali onde meio que saímos da imersão épica na qual estávamos o livro cumpre bem o que propõe, mostra o poder do inconformismo e da perseverança e que toda a luta leva a algo.
  Pontos frequentemente levantados na história são o preconceito das pessoas e o quanto as mesmas estão presas a seus próprios costumes, com os senhores de escravos usando da desculpa que seus subordinados não sentem dor ou fome da mesma forma que eles para justificar os abusos cometidos contra essas pessoas:
"Minha querida, eles são mineiros, não são como nós. Não dão tanto valor à vida, portanto não sofrem como sofremos."
"Todo tipo de gentalha pode querer ser livre, desde os mineiros na Escócia até os negros em Barbados. Mas Deus deu a pessoas como eu autoridade sobre os homens comuns."
  Em suma é um livro que vale super a pena ser lido e talvez até se torne o livro favorito da vida de alguém, cheio de aventura, drama, romance (picante demais em alguns momentos), tensão e até uma pitadinha de comédia em algumas poucas vezes. Um livro que nos faz refletir até que ponto o ser humano é capaz de chegar para manter seu estilo de vida e também para melhorá-lo.


domingo, 17 de maio de 2015

[Marca Texto] Mago e Vidro - Stephen King

  Já faz um tempinho que não fazia um marca texto por aqui, então, porque não agora?





"'Há três coisas que podemos fazer em qualquer situação, garota', o pai um dia lhe dissera. 'Você pode decidir fazer uma coisa, você pode decidir não fazer uma coisa... ou você pode decidir não decidir.'"









  Assim como o pai da protagonista, eu não gosto muito da terceira opção, ela é muita "deixa a vida me levar" pro meu gosto, eu acredito que tudo na vida é uma escolha, e se você não decide o rumo que a sua vida toma, outros decidirão por você, e se quando a gente escolhe ainda não ficamos satisfeitos com as consequências, imagine quando a escolha é feita por terceiros...
  A vida nunca para, e por mais que seja cômodo deitar de costas e esperar a maré nos levar adiante, temos que nos esforçar para remar contra a corrente, diversas vezes, não para voltar atrás, isso não é possível, mas para desviar das pedras que ameaçam nos despedaçar, pedras sempre haverão depende de nós o impacto que elas terão em nós.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

[Opinião] Tormento - John Boyne

Editora: Cia das Letras (Seguinte)

N° de Páginas: 81

Citação:
ERRO:
Nenhuma passagem do livro foi considerada relevante/interessante o suficiente, por esse blogueiro, para ser destacada nessa postagem.

Sinopse:
  Danny Delaney estava de férias  e só queria um verão tranquilo. Mas um dia, quando sua mãe volta para casa escoltada por policiais, ele se dá conta de que alguma coisa horrível aconteceu: uma casualidade que vai mudar a vida de toda a sua família.
  Narrado pela perspectiva de um garoto de doze anos, Tormento acompanha o drama de Danny e de seus pais, e nos mostra como as coisas sempre podem mudar, mesmo quando a gente menos espera.

Opinião:
  Ao contrário do que vocês devem estar imaginando depois de ver o que escrevi onde deveria estar um quote do livro, eu não detestei a leitura, também não morri de amores, mas enfim...
  O livro, narrado pelo Danny, um garoto extremamente mimado e chato de 12/13 anos conta a história de como, em um belo dia a mãe se atrasa na volta pra casa e quando finalmente chega ela está escoltada por policiais, aí já sabemos que alguma coisa aconteceu, e ficamos imaginando o que (que se prestarmos atenção a capa, não será surpresa nenhuma quando o "acontecimento" for revelado), felizmente o livro não é sobre esse guri levemente retardado tentando descobrir o que aconteceu naquela noite, isso é logo revelado.
  A história é sobre o que a casualidade (pra usar a palavra da sinopse) afeta todos os personagens da história, e seria ótimo de acompanhar, se não estivéssemos presos na cabeça do protagonista.
  O livro é super curto, eu li ele em cerca de duas horas, contando o intervalo feito na leitura para realizar algumas atividades que a casa (e meu pai) exigiam, no final da leitura você não acha que foi uma perda de tempo, mas também percebe que teria sido um tempo melhor aproveitado se você estivesse, sei lá... dormindo.
  Infelizmente, o único personagem que é realmente aprofundado e desenvolvido é a criança de 12 anos, que assim como Bruno, de O Menino do Pijama Listrado, do mesmo autor, parece ter muito menos idade que isso, são crianças ingênuas, mas não do tipo "ah! Que gracinha, tão inocente, tomara que o mundo não o perverta!" mas sim do tipo: "Criatura tapada, se toca!!!"
  Vemos tudo através do olhar de um personagem egocêntrico, que se preocupa mais com o seu bem-estar do que com o fato de o mundo estar desmoronando para a sua família, uma criança a quem faltou muita surra pra aprender a respeitar os outros e se ater ao seu devido lugar. Sim, admito que em determinados momentos, uns dois, no livro todo, Danny fala a favor de sua mãe, mas em quase todo o decorrer da história ele está pouco se lixando no impacto que os acontecimentos tiveram sobre sua família e se ressente pelo fato dos pais estarem mais preocupados com todos os problemas que o acidente causou do que com ter uma conversa sem sentido com ele ou não ter a atenção que julga merecer.
  Em suma, é a história de uma família que passa por um momento terrível e o filho mimado (que ainda por cima tem ciúmes do irmão e se refere a ele como "o queridinho da mamãe"), egocêntrico e insensível que resolve mandar tudo às favas porque levou um tapa tardio.
  Não, eu não sou a favor do espancamento, nem de crianças nem de adultos, mas um tapa na mão ou na boca, umas chineladas e varadas ajudam a formar um caráter mais decente nas crianças.
  A narrativa do autor já me é conhecida e gosto dela, apesar de não gostar muito de suas histórias, e o que frequentemente me incomoda nelas é exatamente o que me incomodou nessa, personagens que não tem maturidade para a idade (ah, mas uma criança de 12 anos não tem maturidade! Realmente, mas já tem mais noção do mundo ao redor e não é mais tão dependente quanto uma de 5), egocêntricas e mesquinhas.
  A leitura flui rápido e a história seria ótima, se não fosse narrada por esse ser detestável, até agora é o livro que mais gostei do autor, afinal ele transmitiu sentimentos e em certo momento nos mostra o real estado de espírito de cada personagem.
  Como já disse, eu odiei o protagonista mas gostei do livro, e foi o melhor que já li do autor, ainda assim não consegui entender o porquê do autor ser tão amado pelos leitores.


quarta-feira, 13 de maio de 2015

[TAG] Frases de Mãe


  Oi meu povo!!!
  Estamos no mês das mães, e como não teve um post específico sobre o dia em si hoje vou responder a TAG frases de mãe, a qual a Lery me indicou, não deixe de conferir as respostas dela clicando aqui.
  As regras são simples:


   E vamos às frases, lembrando que se hover opinião minha aqui no blog sobre o livro citado é só clicar na foto do mesmo para ser direcionado ao post.

01."Eu vou contar até três..."

Um livro que você não via a hora de acabar.
  Assim como a Lery, escolhi um livro que não gostei (porque nesse caso também poderia ser um livro bom mas que você não via a hora de saber o final, certo?) e eu escolhi Cidades de Papel, do John Green, porque eu já tinha visto bastante gente dizendo que o livro era bom mas o final era horrível, e como eu estava achando o livro uma b*$%@, queria ver se o final conseguia ser pior que o início ou o meio, e acabou que o final foi a única coisa proveitosa do livro.





02. "Se você falar isso de novo te arrebento os dentes."

Um livro que você não suporta que falem mal:
  Não é que eu não suporte que falem mal, até porque eu reconheço que Um Mundo Brilhante não é lá a história mais brilhante  (bá dum tsss) já escrita, mas continua sendo uma história bem escrita, com personagens magnificamente construídos (que são pessoas deploráveis, mas enfim). Em suma, é um livro bom com uma história ruim, e eu tenho um carinho especial por ele porque eu o li em uma época especial e que coincidiu com certos aspectos do livro...





03. "Se você correr vai ser pior"

Um livro que você corre dele, mas sabe que um dia vai ter que lê-lo
Que atire a primeira pedra quem nunca correu de clássicos! Tenho essa edição super bonitinha de Crime e Castigo aqui em casa e ainda não criei coragem de encarar, na verdade só estou querendo ler outra coisa do Dostoiévski (adoro esse nome) antes de partir pra isso (uma desculpa esfarrapada, já que tenho outros dois livros do autor aqui)





04. "Vem comer se não esfria"

Um livro que você leu logo que lançou
  Não foi nem por "Ah, meu Deus, lançaram A Espada de Kuromori, preciso ler ele!!!" Não!
  A verdade é que recebi esse livro enquanto carregava a mudança... como não sei direito porque o recebi, direto da editora, acredito que tenha sido sorteado no Skoob, e como ele chegou eu pensei: "por que não?" e acabei lendo ele logo em seguida.






05. "Você não é todo mundo"

  Um livro que todo mundo odeia, menos você.
  A resposta do segundo tópico bem que se encaixaria aqui também, mas foi difícil encontrar um livro que eu goste e o mundo odeia, o contrário é bem mais fácil, mas escolhi Insônia, do mestre, que muita gente desistiu do autor depois de ler esse, ou até durante a leitura, reconheço que, dentre os que eu li, foi o que eu menos gostei e que achei mais cansativo, mas enfim....






06. "Quantas vezes eu já disse pra você não fazer isso?''

O personagem que mais te irritou e fez burrada.
  Definitivamente a personagem que mais me irritou até hoje foi a Kelsey, do livro A Maldição do Tigre, livro que falo ser um ótimo exemplo de como estragar uma boa ideia, ela é irritante mimizenta, burra e muito fresca, ô guria insuportável...
  Peguei essa foto porque, se não me engano, é essa moça que vai fazer o papel desse ser odioso no filme.






07. "Não, quando eu digo não é não!"

Um livro que você não lerá, não importa o quanto as pessoas falem bem
  Copiando a resposta da Lery na cara dura u.u
  Eu não gosto de romance (ponto), não gosto dessas pornografias aí, então um livro que nunca lerei é o desperdício de árvores, Cinquenta Tons de Cinza.








08. ''Não mente pra mim."

Um personagem mentiroso, ou um personagem que te enganou direitinho.
  Vários e vários personagens dos livros do Harlan Coben, John Verdon e Sidney Sheldon me passaram pela cabeça, mas ficaria muito chato eu revelar o criminoso de algum deles né?!
  Assim sendo escolhi o Robert Langdon, que ele não apenas me enganou como se enganou, foi no livro O Símbolo Perdido (←), mas não vou falar em que situação ele me enganou.





09. "Coração de mãe não se engana."

Um livro que te conquistou pela capa e a leitura foi ainda melhor.
  Quando vi esse tópico a imagem desse livro brilhou na minha mente :3
  Comprei ele pela capa (adoro faróis) e pelo nome, e a capa é linda, a lombada é linda, a quarta capa é linda, até as orelhas do livro são lindas *-------*
  E como se não bastasse essa belezura toda, o livro ainda é um dos melhores (pra não falar o melhor) que li na minha vida.






10. "Tá chorando sem motivo por que? Peraí que vou te dar motivo pra chorar!"

Um personagem chorão que te deu raiva
  Falou em personagem chorão e irritante, falou em Jill Pole, de As Crônicas de Nárnia, mais especificamente do livro A Cadeira de Prata, que é onde ela está mais insuportável... Quem leu sabe o quanto essa menina pede pra apanhar na história.








11. "Come só mais um pouquinho"

Um livro que fez você dizer "vou ler só mais um pouquinho"
  Muitos livros já me fizeram falar isso, em especial os do Zafón, mas preferi escolher um que li recentemente, Caixa de Pássaros do Josh Malerman é sobre os medos de cada um e mexe bastante com a curiosidade de cada um, é impossível largar o livro até que ele te dê algumas respostas, e quando ele te dá essas respostas você já está tão viciado na escrita do autor que você lê até o fim, que não é o melhor final do mundo mas mesmo assim eu achei digno u.u





12. "Quantas vezes vou ter que repetir?"

Um livro que você teve ou terá que reler para entender melhor.
  Não é que eu não entendi, mas o livro Oráculo, da Superinterssante, tem muuuuuita informação, e para conseguir gravar tudo eu teria que ler diversas vezes, o problema é que a edição do livro é tão porca que mal se mantém inteiro durante a primeira leitura ¬¬'








13. "Não fez mais que a sua obrigação!"

Um livro que você leu por obrigação.
  Ia colocar Quem Poderia ser a Uma Hora Dessas, mas já respondi ele em uma pergunta parecida de outra TAG, então vou dizer que foi Vingança da Maré, da Elizabeth Haynes, com essa capa linda.
  Nunca fui realmente obrigado a ler um livro, mas coloquei esse na minha meta de uma maratona literária e me obriguei a ler, mas, apesar de ser uma história até bacana, ele não me agradou porque prometia ser um Thriller psicológico, e não foi nem um pouco intrigante nem nada... apenas decepcionante.




14. "Coração de mãe sempre cabe mais um"

Os três próximos livros que você está louco para comprar
  Preferi escolher três que não são óbvios e que não estavam na lista dos super desejados... mas esses já estão sobrepujando alguns daqueles nas minhas prioridades... Objetos Cortantes da Gillian Flynn, porque adorei Garota Exemplar e quero muito ler mais coisas da autora, Onde Cantam os Pássaros é um lançamento desse mês, se não me engano, da Darkside Books, e tenho altas expectativas para ele, e Poder Absoluto é um Thriller do David Baldacci :3

15. "Isso, quebra mesmo! Não foi você quem pagou."

Um livro que você emprestou e voltou irreconhecível
O segundo livro do autor de A Cabana (que passa longe de ser tão bom quanto o primeiro), A Travessia, eu emprestei para uma senhora que morava perto de casa e disse pra ela que eu era muito chato com meus livros e ela disse que ela também era e que era super cuidadosa... aham... tá ¬¬'
  Eu, na minha infinita ingenuidade, inocência e fé na humanidade (em suma, burrice) emprestei pra ela, e ele voltou destruído... não conseguia acreditar naquilo...





Os indicados:

O Guilherme, do Leitura Fora de Série
O Tony, do The Tony Lucas Blog
A Milly, do Mais Uma Página
e a Nina, do Nina e Suas Letras

E não é porque passou do dia das mães que vocês tem que esperar o do ano que vem pra responder u.u
A mãe fala essas coisas o ano todo, a TAG também pode ser respondida em qualquer época do ano ;)

domingo, 10 de maio de 2015

Melhores do Ano: Segunda Eliminação


  E então chegou a hora da segunda eliminação...
 

Tivemos a absurda marca de 1201 votos, e me perdi nas contas umas 3 vezes antes de conseguir contar outras três e ter dado o mesmo resultado, o que me levou a crer que dessa vez está certo....

  Diferente da última, ninguém teve menos de 10 votos (ou de 100), mas a menos votada novamente foi....

  Com 104 votos a Gisleyne continua no jogo...
  Quem também continua na disputa pelos "desejados" por ter recebido "apenas" 194 votos foi...
Adivinha...
Duvido que vocês adivinhem!!!
Mas podem tentar...
Chuta aí vai :p

Tá bom vou falar!!!

Nina!!!! Se comparar com a última votação você recebeu muito mais votos...


E é isso meu povo!

Ah, vocês querem saber quem é o eliminado né!?
É só clicar na "minha" cara aqui em baixo



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...