quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

[Opinião] O Lago Místico - Kristin Hannah

Editora: Novo Conceito

N° de Páginas: 349

Citação:
Nick sentiu a vida escorrendo, saindo de forma inexorável de seu corpo. Imagens enterradas de outra noite, não muito tempo atrás, estavam vazando para a parte frontal da mente, imagens que também foram gravadas com sangue, violência e tragédia. Havia passado oito meses fugindo das imagens daquela noite, enterrando-as bem fundo no subconsciente, mas agora elas estavam de volta, matando-o."

Sinopse:
  Esposa e mãe perfeita, Annie vê seu mundo desabar de uma hora para outra quando é abandonada pelo marido. A fuga momentânea é para Mystic, a pequena comunidade onde ela cresceu e onde o seu pai ainda vive. Lá, Annie começa a se reerguer novamente, descobrindo o amor por si mesma, por um velho amigo solitário e por uma garotinha que acaba de perder a mãe.
  Tudo está novamente se encaixando na vida de Annie. Nick e Izzy se tornaram uma parte importante de seu processo de cura, e ela também se tornou essencial para a sobrevivência da relação entre pai e filha. Até que o seu ex-marido reaparece... e a tranquilidade rapidamente dá lugar ao desespero.

Opinião:
  Primeiramente queria dizer que acho incrível o fato de a editora dar uma assinatura visual para os autores, lá pelo começo do ano li o Por Toda a Eternidade, da mesma autora e mesmo nos livros da autora de outra editora temos objetos (na maioria das vezes luminescentes) em primeiro plano e pessoas lááá no fundo, muito legal a conservação dessa característica, é como se a editora dissesse: "olha, é a mesma autora, a mesma Kristin Hannah, mudou a editora mas a narrativa incrível e as capas características continuam" e também o fato de as aberturas dos capítulos serem levemente ilustrados com folhas ao vento, o livro tá lindo NC, tanto no conteúdo quanto na apresentação... parabéns!!!
  Agora falando do livro, nossa protagonista é Annie, uma mulher definida pelo cuidado que tem com a família, sua vida se resume a cuidar da filha e do marido. O livro começa com a família a caminho do aeroporto para colocar a filha única do casal em um avião para Londres, onde ela vai passar um tempo antes de ir para a faculdade, assim sendo a mulher que só sabe ser esposa e mãe vai ter que se contentar em ser apenas esposa, ao chegar em casa o marido não desce do carro, anuncia que quer o divórcio e vai embora, assim sendo a mulher que só sabia ser esposa e mãe e estava tentando se contentar em ser só esposa tem que achar um jeito de ser outra coisa, por que quando é pra lascar tem que lascar tudo de uma vez... desgraça pouca é bobagem.
  Depois disso Annie viaja para Mystic para ficar com o pai, depois de alguns dias numa deprê de dar inveja a muito suicida o pai a obriga a ir pra cidade e fazer alguma coisa (compras, cortar o cabelo... essas coisas que pra mim só serviriam pra deixar mais deprimido ainda) e no cabeleleiro (o corretor ortográfico está louco) no meio de uma interminável conversa ela descobre que sua melhor amiga morreu a oito meses, e ela não sabia de nada porque estava ocupada demais fazendo as vontades do marido idiota, egoísta e traidor dela, ela então vai até a casa no lago (Lago Mystic, por causa do nome da cidade, daí o nome do livro) onde o viúvo da melhor amiga (por quem ela era apaixonada no tempo de escola) vive com sua filhinha.
  A narrativa da autora é incrível, ela constrói os personagens de forma perfeita, o livro é todo em terceira pessoa mas muda de foco durante a história, alternando entre Annie, Nick, Izzy e por último e com certeza menos importante, Blake. Apesar de a narrativa ser em terceira pessoa ela se aprofunda muito na mente de cada personagem e podemos ver o quanto Nick está triste e assustado, Izzy deprimida e traumatizada e o quanto Blake é odiento... sério, que homem infeliz (no sentido filho duma égua)...
  Só pelos momentos da narrativa focada na personagem da Izzy o livro merecia cinco estrelas, é tocante como ela escreve numa linguagem na qual parece ter sido a própria menina, demonstrando toda a dor e confusão na cabeça dela.
"Izzy não conseguia parar de chorar. Sinto falta dele, foi tudo o que conseguiu dizer para Annie, mas havia muito mais que não disse. Ela não disse que estava sentido falta dele fazia muito, muito tempo, e não disse que o homem de cabelo prateado não era seu papai, porque seu papai nunca ficava doente e ria o tempo todo. Ela não disse que seu papai de verdade tinha morrido quando mamãe morreu, e que ele nunca ia voltar."
  Mas algumas coisas me incomodaram, a primeira é o altruísmo desenfreado de Annie, sim, devemos ser altruístas mas não ao ponto de largar nossas vidas para cuidar dos outros, se doar incondicionalmente a toda e qualquer pessoa que aparecer na nossa frente sem medir as consequências disso, tá certo que a autora a criou dessa forma para dizer exatamente isso, mas mesmo assim ela me irritou em alguns momentos. E a outra foi que tive uma sensação de "Foi tudo em vão" em determinado ponto do livro (mais detalhes na parte do spoiler), outra coisa que me incomodou foi o reencontro de Annie com Nick, fazia anos que não se viam, ela estava deprimida pelo abandono do marido e ele pela morte da esposa, enquanto conversam sobre como Kathy morreu um olha pro outro e se atracam (em todos os sentidos possíveis da palavra) na beira do lago, o fato da "cura" para a depressão e síndrome de abandono de Annie ser se atracar (da mesma forma já mencionada anteriormente) loucamente com o viúvo de sua melhor amiga também me irritou. A autora fala na entrevista que aquilo assustou até ela, eu já escrevi uns gibis na vida e sei como é quando seus personagens não respeitam muito sua ideia inicial e meio que agem por conta própria mas enfim... me irritou u.u
  É um livro comovente, sobre relações familiares e perdas, com muitos atracamentos desnecessários, mas ainda assim é um livro bom que merece ser lido...
  O livro possui alguns erros de digitação, mas é a primeira edição, e são bem poucos, acho que só dois (comparado a uns que já vi por aí, está praticamente impecável), e possui uma entrevista com a autora e questões para discussão no final do mesmo (adoro esse tipo de coisa)



Um comentário com Spoiler:
  Me irritou o fato de Annie passar grande parte do livro "se encontrando" e "descobrindo como amar a si mesma" e depois voltar para Blake e deixar que ele apagasse tudo que ela descobriu, e o pior de tudo, tendo consciência disso, e ela sabia que mesmo Nick sabendo que o filho era de Blake e não dele, ele cuidaria muito melhor dela do que o marido, mas pelo menos o final é bastante satisfatório, e como a autora diz na entrevista publicada no livro "Annie finalente estava encarando seu futuro e permitindo que o passado fosse parte do que ela se tornou"

8 comentários:

  1. Adoreeeeeei a resenha! É o único livro dela que ainda não tenho, mas vou providenciar isso. hahah
    Personagens que se doam muito aos outros são realmente irritantes. E não entendi o porquê dos personagens terem se atracado. Se estavam tristes, não tinha motivo. Enfim, personagens são como pessoas: difíceis de interpretar. hahah
    Beijinhos.

    Blog: http://pequeninabiblioteca.blogspot.com.br/
    Canal: https://www.youtube.com/channel/UCh4anKvrcHrzPnVv3XMhTig

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o segundo livro dela que leio, gostei mais do outro, mas esse também tem seu mérito, dos que não li tenho muita vontade de ler O Caminho Para Casa....
      Eles se atracaram porque parecem estar em um cio eterno em relação um ao outro... o que mais me irritou no livro foi isso...

      Excluir
  2. Oi Rudi!
    Até hoje só ouvi comentarios positivos em relação aos livros da autora, tenho MUITA vontade de ler algo dela mas é aquela coisa, a gente vai deixando pra depois e nunca le hahahah.
    Gostei bastante da sua opinião, vi o livro entre os lançamentos da editora e pela premissa parece ser super interessante, espero ler em breve.
    Abraços!
    Guilherme - http://leituraforadeserie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro a escrita dela, ela compara sentimentos com objetos físicos, e isso passa de forma tão perfeita a sensação para o leitor... espero que tenha a oportunidade de ler, eu gostei bastante do que vi até agora ^^

      Excluir
  3. Até agora não li nada da Hannah hehehe não me mate, mas ainda não entrei no clima, prefiro empurrando assim do que ler e não ter uma boa impressão da autora por birra minha, mas este livro muitas pessoas bem me indicando, acho que se começasse hoje seria por este livro!
    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não esquenta, :p
      Também não gosto de ler nada forçado (por mim mesmo ou por outros), como disse: esse é o meu segundo contato com a autora e confesso que gostei mais do primeiro, não tinha ninguém se atracando desnecessariamente :B

      Excluir
  4. Oi, Rudi! Nunca li nada da autora, mas fiquei interessado em ler esse livro (já tinha visto ele em outros blog)! Adorei sua resenha e acho que o que você citou que te irritou, também me irritaria! Não curto muito quando acontece isso de "foi tudo em vão" e acho que também não curtiria isso da personagem se atracar com o viúvo da melhor amiga! rs

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Detalhe: se atracar com o viúvo da melhor amiga enquanto ele falava sobre sua tristeza pela morte da amiga :p
      Mas como disse, o livro tem seu mérito, acredito que você irá curtir ;)

      Excluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...