sábado, 24 de janeiro de 2015

[Opinião] Diário do Chaves - Roberto Gómez Bolaños


Editora: Ponto de Leitura (Suma de Letras)

N° de Páginas: 173

Citação:

E algum dia a História terá de registrar tudo o que diz respeito a este fenômeno. Para mim, enquanto isso, fica satisfação de ter participado desta inigualável história, a que dou fé com esse diário."

Sinopse:
  É simplesmente impossível não ficar de bom humor quando alguém se refere ao Chaves da televisão. A graça do personagem vem fazendo o mundo rir há 35 anos! [Quarenta e cinco, a essa altura do campeonato] Mas não é só isso: também faz refletir. A vila em que Chaves mora abriga a ironia e a denúncia social, mas sobretudo a ingenuidade e uma boa dose de ternura.

" - Como você se chama?
  - Dá no mesmo, não?
  - ... O que é que dá no mesmo?
  - Dá no mesmo como eu me chame, mas, se quer saber, todos me chamam de Chaves.
  - Quantos anos você tem? - Continuei
  - Minha idade são os anos que eu tenho.
  - Então, quantos anos você tem?
  - Oito, acho...
  - Onde você nasceu?
  - Não posso me lembrar, porque eu era muito pequenininho quando nasci."

  Os incontáveis fãs do moleque sardento e de sua turma vão se deliciar com as revelações deste diário secreto. E quem, porventura, ainda não foi apresentado à sua vila tem agora uma maravilhosa oportunidade de, "sem querer querendo", descobrir um mundo estranhamente otimista - e divertido!

Opinião:
  Desde a morte do Roberto Bolaños eu tenho muita vontade de ler seus livros, e encontrei esse na biblioteca aqui da cidade. A história é contada como se realmente fosse um diário, com uma introdução do Bolaños como ele mesmo, dizendo como encontrou o tal diário e um "histórico" no final, escrito pela Florinda Meca (que obviamente foi erro de digitação e se trata de Florinda Meza).
  O Diário começa falando como foi o começo de sua vida, com uma mãe que não se importava com ele, com o tempo que ficou em um orfanato, nas ruas, até chegar a vila onde todos o conhecemos, é incrível a forma como ele narra os acontecimentos com uma inocência tocante, como quado ele fala do bom homem que permitia que ele dormisse em um dos carros de sua loja, e ele era tão bom que as vezes permitia que algumas moças pobres também dormissem nos ditos carros, e ainda fazia companhia para elas para que não ficassem com medo durante a noite...
  Grande parte do diário se passa depois de Chaves já ter chagado na vila, então vemos como o Chaves entendia os acontecimentos corriqueiros da vila, que sempre vemos no seriado, além de vários acontecimentos nunca mostrados no seriado.
  É um livro para fãs, mas que toca de maneira incrível, mostrando a inocência e ternura de um pobre menino órfão que nunca pretendeu prejudicar ninguém, mas é claro que, querendo ou não, todos acabamos prejudicando alguém a nossa volta.
  Só não dei cinco estrelas porque não achei a escrita do Chaves lá essas coisas, Quando Bolaños escreve como ele mesmo é muito mais interessante, o que só dá mais mérito ao autor/ator/diretor/poeta/sei lá mais o que, mas ainda assim a sensação de estar lendo um livro escrito por uma criança (que obviamente era o objetivo do autor, e foi alcançado) não me deixou completamente apaixonado pelo livro.


19 comentários:

  1. Fala Rudi, tudo bom?
    Sou louco pra ler esse livro desde que descobri a existência dele kkkk
    Sempre tive vontade de saber como foi a vida do Chaves antes de chegar à vila.
    Esse negócio do carro =O mds kkkkkkkkk
    Adorei a resenha. Um abraço
    Oficina do Leitor / Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu carinha ^^
      Espero que goste do livro

      Excluir
  2. Olá,
    Eu adoro Chaves e o livro até parece ser bacana, mas realmente não me interessei pela leitura, tenho outras prioridades literárias, rsrs.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super entendo Inês, mas o livro é bem fininho, é bom para aqueles meses que você tá desesperado porque leu poucos livros (meu caso aqui)

      Excluir
  3. " e ainda fazia companhia para elas para que não ficassem com medo durante a noite" kkkkkkkkkk - morri de dar risada, sério! kkkkkkkkkk
    ah, que vazio a gente sente quando algo muito intenso durante a nossa infância se vai - acredito que a fase onde as coisas mais marcantes da nossa vida acontece, é na infância - o resto é obrigação. ótima resenha, e ótima biblioteca ai a da sua cidade.

    gabryel fellipe - quimeras mirabolantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei foi chocado com essa parte :p
      Concordo contigo, acho que é por isso que não me despedi direito da minha infância até hoje :B

      Excluir
  4. Não sabia da existência do livro mas também não interessei tanto não.. Talvez eu até leia um dia depois do seu resuminho ai.. veremos.. hehehhehe

    Abraço

    Is we

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te entendo, te confesso que só li porque tinha na biblioteca, porque se tivesse que pagar por ele não tenho certeza se teria coragem

      Excluir
  5. Oi Rudi, tudo certo?
    Eu amo Chaves, o modo como ele faz humor sem apelo, sem palavrões e sem maldade. Porém eu jamais imaginei que existisse um livro do Chaves. Realmente parece ser bom, mas não atraiu muito não, kkk.
    Abraços e que a força esteja com você!
    http://www.paradageek.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem dois livros do Chaves, esse, bem infantilzinho e um que é mais uma autobiografia do Bolaños, falando (obviamente) sobre a vida dele e consequentemente sobre o Chaves

      Excluir
  6. Oi Rudi!
    Ah Chaves... Tu sabes que o fato do Ator ter morrido, não muda em nada. Chaves já se imortalizou na memória das pessoas.
    Eu conheço todos os episódios e sei todas as piadas e ainda acho graça.
    Não sabia que tinha livro, de verdade. Mas se for metade do chaves que passa na tv, já fale cada centavo!
    Bjs da Le
    Le Versos & Controvérsias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale* não trocava v por f há séculos auhauhaua

      Excluir
    2. kkkkkkk As letras ficam perto no teclado, a gente entende :p
      Tem muita coisa do seriado no livro, e isso me desagradou um pouco, apesar de passar uma sensação de realismo ao mesmo tempo ficou sendo mais do mesmo, o que é estranho de falar se tratando do Chaves já que como você ressaltou, já sabemos todas as piadas e ainda achamos graça

      Excluir
  7. Oi, Rudi! Apesar de ser muito fã de Chaves (até hoje eu morro de rir quando assisto os episódios no SBT! haha), tenho que confessar que não conhecia esse livro! Mas fiquei super interessado por ele! Deve ser bem bacana conhecer o passado do Chaves e ver ele próprio narrando os acontecimentos da Vila! <3 Ótima resenha!

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Tony,
      Ele vale mais pelo passado do Chaves mesmo, e também por umas anotações da Florinda no final... os acontecimentos da vila tem mais graça no seriado do que no livro, mas acontecem algumas coisas mais sérias no livro que a inocência do Chaves não o deixa entender o quão sério foi aquilo.

      Excluir
  8. Caramba, eu não conhecia esse livro!!! xD
    Eu sou muito fã do Chaves, pode estar passando um episódio que já vi mil vezes, mas eu vou lá ver mil e uma! hahaha
    É uma coisa que marcou toda minha infância, minha vida, bem dizer!
    Adorei conhecer o livro, com certeza vou querer lê-lo também, mesmo que em um livro, as coisas sejam diferentes do que são no seriado - é inevitável.
    Adorei a resenha!! :D
    Beijos, Lerissa K. xD
    http://lerissakunzler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lery,
      Eu já comprei A Verdadeira História Ilustrada, que é mais técnico que esse, mas ainda não peguei para ler, espero fazer isso logo

      Excluir
  9. Existem cinco livros do Chaves: "Chaves: Foi sem Querer Querendo?", "Chaves e Chapolin: Sigam-Me os Bons!", "O Diário do Chaves", "Chaves de um Sucesso" e "Seu Madruga: Vila e Obra", sendo que o quarto livro foi escrito pelo próprio Roberto Gómez Bolaños com o título original de "El Diario del Chavo del Ocho".

    Em outra ocasião, veja se pode experimentar escrever um artigo dos quatro livros dos Trapalhões: "Ô Psit, o Cinema Popular dos Trapalhões", "Os Adoráveis Trapalhões", "O Cinema dos Trapalhões, por quem Fez e por quem Viu" e "Eu e Meus Amigos Trapalhões", sendo que o quarto livro foi escrito pelo próprio Dedé Santana.

    ResponderExcluir
  10. Mano Rudi, vim lhe dar os parabéns por seu trabalho e convidá-lo a acessar minha página de divulgação, eis o endereço → http://www.facebook.com/SavioChristiDesenhistaDivulgacao.

    Bom, abraços e até mais então!

    ResponderExcluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...