sexta-feira, 17 de abril de 2015

[Divagando] Martha Medeiros



  Como vocês podem ver ali do lado(→→) estou lendo outro livro de crônicas da gaúcha Martha Medeiros (Nina, essa é você daqui a uns 30 anos), e me deparei com uma crônica intitulada "Achamos que Sabemos" que rivaliza com uma chamada "O Que Acontece no Meio" presente no livro A Graça da Coisa como a melhor crônica do mundo, é um daqueles textos que começam e terminam de forma incrível, como os livros O Grande Gatsby ("Quando eu era mais jovem e vulnerável, meu pai me deu um conselho que muitas vezes volta a minha mente. 'Sempre que tiver vontade de criticar alguém, lembre-se primeiro que nem todas as pessoas do mundo tiveram as vantagens que você teve' [...] E assim prosseguimos, botes contra a corrente, impelidos incessantemente para o passado) e O Exorcista ("Assim como o brilho breve dos raios do sol não é notado pelos olhos de homens cegos, o começo do horror passou despercebido; com o guincho do que ocorreu em seguida, o início foi, na verdade, esquecido e talvez não relacionado de forma alguma ao horror. Era difícil saber. [...] No ato de esquecer eles tentavam se lembrar")
  Mas a Crônica  tem os seguintes início e final (Vida é o que acontece entre o nascimento e a morte. O que acontece no meio é o que importa. [...] E que harmonizar o que pensamos, sentimos e fazemos é um desafio que leva uma vida toda, esse meio todo."
  Mas não quero falar sobre inícios ou fins, de textos, crônicas ou livros, apenas que a autora me faz pensar bastante e me conquista a cada parágrafo que leio, não concordo com a opinião dela sobre diversos assuntos, mas assim como falei no primeiro [Marca Texto] lá em setembro do ano passado, eu adoro quando as pessoas sabem argumentar, e se tem algo que essa mulher sabe fazer é isso.
  É impressionante a capacidade que ela tem de conversar com o leitor, de imaginar nossas respostas à opinião exposta e conseguir formar um debate que ocorre na nossa cabeça enquanto lemos seus textos, ela nos deixa a vontade contando experiências de vida, achamos que entendemos tudo que ela nos diz, mas isso não acontece só com ela, vai lá saber quanto um autor quis colocar nas entrelinhas de sua história e acaba que ninguém capta, lemos um livro tantas vezes, ou conhecemos uma pessoa "tão bem" e a tanto tempo que acreditamos não haver mais nada sobre aquela pessoa ou aquele livro que não saibamos.
  Parafraseando o que a autora diz em um dos textos já mencionados: Nunca teremos certeza de coisa alguma, especular é o mais próximo da exatidão que podemos chegar de todas as coisas nesse mundo, mas nos conforta achar que sabemos.

4 comentários:

  1. Oi, Rudi! Tudo bem? Nunca li nada da Martha Medeiros, acredita? Mas pelo que vejo em sua divagação ela é uma excelente autora! Gosto muito de autores que tenham uma capacidade de conversar com o leitor e saibam formar um debate que ocorre na nossa cabeça e tal... Adorei o texto! ^^

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito, mas andei dando uma olhada na votação e talvez isso mude logo... pode ter certeza que ela faz isso com maestria

      Excluir
  2. Vida é o que acontece entre o nascimento e a morte. O que acontece no meio é o que importa.
    Muito bom esse pensamento!

    ResponderExcluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...