sábado, 2 de abril de 2016

Leituras do Ano: As 10 Melhores e as 5 decepções

  Sei que já estamos em abril, mas como não fiz issoaté  hoje, vamos fazer....
  O ano de 2015 foi um ano bem diversificado no quesito leituras, algumas muito boas e outras nem tanto... Lembrando que se quiser ler minha opinião sobre os livros é só clicar em suas respectivas fotos.

Os 10 Melhores

  Com certeza um dos melhores foi o primeiro que li no ano. Stephen King é um dos meus autores favoritos e esse se tornou o meu favorito. À Espera de Um Milagre é um livro emocionante sobre preconceito e a bondade presente, ou não, dentro do coração humano. Além de ser o único livro do King no qual ele mostra o lado (que deveria ser o único) bom dos cristãos, mostra como todos, não só ''religiosos'', deveriam se comportar, tentando fazer tudo que estiver ao seu alcance para ajudar o próximo e fazer o bem.

  Claro que Harlan Coben tem que aparecer na lista dos melhores do ano. Quebra de Confiança foi o único livro do autor que li no ano passado mas se tornou um dos meus favoritos entre suas obras, esse é o primeiro livro da série protagonizada pelo personagem Myron Bolitar, e também mostra porque o personagem tem tantos fãs.

  O segundo livro da Lucinda Riley que li superou em muito o primeiro, apesar de parecer um romancezinho meloso (principalmente pela capa), A Rosa da Meia-Noite consegue ser um livro completo, além de toda a trama histórica, que inclui também uma certa dose de romance, temos um belo drama, um incrível mistério e uma inesperada reviravolta.

  Martha Medeiros é outra autora que sempre marca presença nessa lista, Feliz Por Nada é um livro digno de sua autora, onde mostra que não precisamos de mais motivos para sermos felizes. Além de questões do cotidiano expressas de forma apaixonada e com muita inteligência, ela fala também dos sentimentos dentro de cada um de nós. inclusive, esse livro traz um texto que inspirou uma famosa banda brasileira a escrever uma bela canção.

  Caixa de Pássaros é o primeiro livro do músico Josh Malerman, e que livro. Um livro tenso, que nos mostra uma ideia original, mesmo que pontuada com uma ou outra cena batida, que nos faz pensar em todos os nossos medos e nos faz sofrer de ansiedade.

  Morria de vontade de ler algo da Jandy Nelson, graças a parceria com a linda da Novo Conceito que tive esse ano (passado, no caso) tive a oportunidade com Eu Te Darei O Sol, um livro comovente, talvez com um certo excesso de romance, mas realmente incrível. Uma história sobre timidez, auto-conhecimento, talento, perda, saudade e amor, principalmente entre irmãos. Um livro que mostra que com esforço e dedicação podemos fazer do mundo um lugar melhor, nos tornando, primeiramente, pessoas melhores.

  Outro motivo pelo qual não tenho palavras para agradecer pela oportunidade que me foi concedida pela NC foi ter podido ler o incrível Fragmentados, do Neal Shusterman. Um livro pesado, que mostra o pior que o ser humano pode fazer. E nos faz refletir, fazendo-nos pensar se somos tão boas pessoas como gostamos de pensar que somos.

  Vocês já sabem que Stephen King é um dos meus autores favoritos, na verdade está ali competindo o primeiro lugar com um outro carinha do qual falaremos mais tarde, e Joyland é a prova do brilhantismo desse cara. Ele conseguiu escrever um livro curto com diversos elementos e tramas paralelas e ainda conseguiu desenvolver os personagens de forma que só ele consegue. E tudo isso sem deixar pontas soltas e criando uma história com mistério intrigante, elementos sobrenaturais convincentes e um drama comovente e lindo, um livro tocante, sobre a busca pela verdadeira felicidade e sobre o poder da amizade.

  O autor que compete pelo primeiro lugar com o King é o japonês Haruki Murakami. Conheci o autor através do conto Sono, publicado aqui numa senhora edição da Alfaguara. É um conto curto sobre uma mulher que simplesmente para de dormir e sua vida muda, mas no decorrer da leitura começamos a pensar se ela realmente não está dormindo, se não é tudo um sonho, ou se ela sequer está viva. É uma história que nos faz refletir bastante sobre a rotina e no quão mecânica e monótona tem se tornado a nossa vida.

  David Baldacci é um grande autor de suspenses policiais (porque como autor de romance, vamos ignorar usas tentativas) Poder Absoluto foi o único livro do autor que li esse ano, e está ali competindo pelo meu favoritismo com o incrível Traição Em Família. Um livro forte, mostrando o quão perigosa pode ser a pessoa que comanda uma nação e que tem sede de poder. Mostra que nenhum de nós é 100% mocinho ou bandido.

Menções Honrosas

  Alguns livros não conseguiram entrar na lista dos melhores mas realmente se destacaram. E é deles que vou falar aqui. Para não enrolar demais vou falar apenas uma frasezinha sobre cada um.

Se você me conhece não precisa de explicação, certo?


  Olha só quem aparece de novo!

  E mais uma vez... O Apanhador de Sonhos só não entrou para a lista principal por causa da perseguição interminável que dura quase metade do livro.

  Um Lugar Chamado Liberdade foi meu primeiro contato com Ken Follett, e adorei a escrita do autor, uma história comovente e linda, que só não entrou na primeira lista por causa de uma cena irritante... repetida, com alterações, por diversas vezes.

  Um livro incrível e assombroso sobre a mente humana em toda a sua complexidade... mas que se perdeu em um romance desnecessário que acabou descaracterizando os personagens.


As 5 Decepções

  Cadê o Mateus pra me zoar? Eu adorava a seção ''Cadê?" da revista Recreio quando era mais novo, e quando soube da proposta de Ache Momo do Andrew Knapp quis conferir, pois me parecia algo parecido. mas as fotos não são nada desafiadoras.

  Ganhei Arkansas de presente da editora. Eu nunca tinha nem sequer ouvido falar desse tal de John Brandon e como adorei a edição do livro e o trecho na quarta capa me fez rir horrores fui ler com expectativa de que fosse, ao menos, um livro divertido. Mas é um livro enfadonho com uma história chata. O que salva são os diálogos, que esses sim, são muito divertidos.

  O quarto livro da série The Walking Dead foi beeeeeeeeeeem decepcionante, coisas absurdas que acontecem em momentos impossivelmente oportunos. Focando demais em personagens chatos e irritantes, tá, eu sei que ela, supostamente, é a protagonista dos livros mas ela não demonstra nenhum amadurecimento, mas mesmo assim eles insistem em afirmar o contrário.

  Quando li A Mortalha da Lamentação estava vendo o começo da terceira temporada de Doctor Who, e tinha visto uns pedaços de alguns episódios com o Décimo Primeiro Doutor. E na minha inocência acreditei que Tommy Donbavand tinha feito uma boa caracterização do personagem. Triste engano. Na minha empolgação achei que só os palhaços da história eram coisas ridículas... mas não, o livro é 75% ridículo e 25% um plágio descarado, e tosco, de coisas que apareceram na quarta temporada. E o pior é que minha opinião foi super positiva... espero que minha retratação aqui seja suficiente.

  Nem quis escrever sobre esse livro... mas como tenho que preveni-los, vou fazer isso agora: O livro em questão é meio que suas decisões determinam o fim da história... Mas ele é incrivelmente tosco. As escolhas são basicamente para ou continua, e se, assim como eu, você continuar sempre, a história fica ridícula e totalmente sem nexo.

  E é isso meu povo, não incluí os livros horríveis que já esperava que fossem horríveis. Mas eis a minha lista. E a de vocês? Deixem aí nos comentários.


6 comentários:

  1. Olá, Olá!
    Tudo bom rapaz!?
    QUe bom que você voltou a postar. E sua lista de livros honrosos está maravilhosa. Preciso destacar, mesmo fora da ordem, EU TE DAREI O SOL <3 Acho que já conversamos sobre a beleza espetacular desse livro, né? Dispenso maiores comentários. "Joyland", de SK foi o primeiro livro do autor que eu li e tenho que dizer que foi uma experiência maravilhosa. Quero ler mais e mais livros do King (Esse mês solicitei com a Suma de letras o novo livro Mr. Mercedes). Os demais não li, embora queira muito ler Harlan COben. Sobre os livros que você não gostou eu realmente não leria nenhum.

    Abraço.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Diego,
      Eu te Darei o Sol realmente dispensa comentários, aquela última frase é algo que fica com a gente pra toda a vida né: "Se esforce, uma, duas, três, quatro vezes... reconstrua o mundo" (ou algo assim)
      Joyland é um livro fora do comum também, também comprei o Mr. Mercedes mas ainda não consegui pegar pra ler.
      Meu conselho carinha, leia Harlan Coben, o cara é incrível (destaque para O Inocente, Cilada e Seis Anos Depois)

      Excluir
  2. Oi, Rudi! Tudo bem? Adorei o post e conhecer suas melhores e piores leituras! ^^ Quero muuuuuuito ler "Misery" e "Joyland". Tenho os dois aqui no meu Kindle, mas ler que é bom... Nada! rsrsrs

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Tony, principalmente o Joyland, ele é curtinho e fenomenal

      Excluir
  3. É muito difícil um livro do Stephen King não entrar nos favoritos anuais, Joyland e Misery também estão entre os melhores que li em 2015 e quero ler em breve À Espera de um Milagre. Caixa de Pássaros foi um dos melhores livros de terror que já li na vida. Adorei a postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. à Espera de Um Milagre é meu livro favorito do autor (já disse isso?) mas por incrível que pareça esse é o primeiro ano onde o autor aparece :p

      Excluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...