segunda-feira, 27 de junho de 2016

[PLMC] A Incursão - Liev Tolstói


  PLMC é a sigla (não sei se oficial, mas enfim) para Projeto Leia Mais Contos, idealizado pela Mell Ferraz (neste vídeo) que consiste, como o próprio nome diz, em ler mais contos.
  Vou criar uma guia para esse tipo de postagem onde vou deixar linkadas todas elas em ordem cronológica. A foto acime é apenas uma das muitas que existem no livro (na verdade do segundo volume, mas como eles funcionam todos como um só whatever) onde li o conto sobre o qual que vou falar hoje. Dadas as necessárias (ou nem tanto) explicações, vamos ao que interessa:

  Em A Incursão tive meu primeiro contato com a escrita do Tolstói, e com algum escrito russo, no geral. Acho que é meio cedo para dizer qualquer coisa com propriedade sobre o autor ou a literatura de seu país, mas sobre esse conto, que é exatamente o primeiro escrito - ou, ao menos, publicado - por ele posso dizer que me surpreendeu.
  Na história acompanhamos um cara (que como tem nome russo eu já esqueci) que está partindo para a guerra, mas ele não é exatamente um soldado, não sei explicar direito, mas ele só observa.
"O espetáculo era de fato grandioso. Para mim, como alguém que não tomava parte na batalha e não estava habituado àquilo, só uma coisa estragava a impressão geral: pareciam-me supérfluos aqueles movimentos, os entusiasmos e gritos. Sem querer, comparava aquilo a um homem que, brandindo um machado, cortasse pedaços de ar."
  A partir dessas observações ele vai compartilhando com o leitor sua opinião sobre a falta de sentido que ele vê na guerra, ele pergunta a outros personagens qual seria o verdadeiro significado dessa ânsia por lutar, tirar vidas e o verdadeiro significado de honra, coragem e dever.
"A natureza respirava beleza conciliadora e força. Como podem as pessoas viver como se não tivessem espaço neste mundo bonito, sob este céu estrelado e imensurável? Como é possível, em meio a essa natureza fascinante, persistir na alma do homem o sentimento de rancor, de vingança ou a paixão de aniquilar seus semelhantes? Parece que tudo de ruim no coração do homem deveria desaparecer em contato com a natureza - essa expressão imediata da beleza e do bem."
   Esse conto foi escrito quando Tolstói ainda era jovem e ele mesmo estava na guerra descrita (já não me lembro que guerra é, foi mal) O que mostra que mesmo estando batalhando contra os franceses para defender um pedaço de terra que não tinha porque os do perfume quererem tomar, ele via a inutilidade de tudo aquilo, a selvageria e a falta de humanidade, mais do que qualquer outra coisa, que motivava os soldados a batalharem.

  Esse é, como disse, o primeiro conto do autor, e também o primeiro da coletânea de contos completos dele lançado pela finada Cosac Naify. Esse box ainda pode ser encontrado, mas apenas na AmazonBR, e ele está com um belo desconto, considerando que o preço normal dele beira os 150 conto. Além do que logo, logo isso será raridade, então aproveita e compra ele enquanto o desconto está valendo e ainda ajuda o blog comprando através deste link.


2 comentários:

  1. Li Tolstoi pela primeira vez esse ano com "A Morte de Ivan Ilitch". Ah, esses russos. Bom demais! Queria muito ler o contos completos também, mas me falta poder aquisitivo para a edição da Cosac haha seguindo o blog, beijão

    literalizza.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse ainda é cedo, para mim, para formar uma opinião generalizada sobre a literatura russa, tenho uns Dostoiévski aqui e quero experimentar ele também, tenho também A Morte de Ivan Ilitch, quero ver se consigo ler ainda esse ano

      Excluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...