sexta-feira, 3 de outubro de 2014

[Opinião] Carrie, a Estranha - Stephen King

Editora: Suma de Letras

N° de páginas: 200

Citação:

Mas a expressão "sinto muito" é o xarope das relações humanas. É o que se diz quando se derrama uma xícara de café ou se joga uma bola fora numa partida de boliche com as garotas da turma. Mas sentir realmente o que aconteceu é raro  como o amor verdadeiro. Já não sinto muito a morte de Tommy. Ele se parece demais com uma fantasia que tive. Talvez você ache isso cruel, mas muita água já passou por baixo da ponte desde a Noite do Baile."

Sinopse:
Carrie é uma adolescente tímida e solitária. Aos 16 anos, não pode viver os prazeres e as descobertas dos jovens de sua idade. Dominada pela mãe, uma fanática religiosa que reprime qualquer manifestação de vida, Carrie acredita que tudo é pecado. Viver é enfrentar, a cada dia, o terrível peso da culpa.
  Para os colegas de escola, até mesmo para os professores, ela é uma menina estranha, incapaz de conviver com os demais. Dia a dia mais isolada, sofre com as piadas maldosas e o deboche. No entanto, há um segredo por trás de sua aparência frágil: Carrie tem poderes sobrenaturais, e com a simples força do pensamento é capaz de mover objetos. Esse é seu jogo particular, duramente reprimido como tudo mais em sua vida.
  No fatídico dia de sua formatura, um ato de bondade ofereceu a Carrie uma outra forma de enxergar a si mesma. Porém, outro ato - de absoluta crueldade - provocou uma irremediável reviravolta e transformou seu jogo secreto em uma arma de horror e destruição. Chegou a hora do acerto de contas.

Opinião:
  Tenho um sério problema com textos de autores que são colocados como posfácio do livro mas que foram escritos vários anos depois do lançamento do mesmo.... costumo gostar mais deles do que do livro em si... Como (acredito que) todo mundo sabe, a Suma está relançando os livros do mestre SK, como capas novas, papel amarelo e letras grandes (aproposito, esse é o primeiro livro do SK que leio com páginas amarelas e uma letra de tamanho decente) e estão colocando essas introduções (a desse foi escrita a mais de 10 anos mas o livro foi escrito a 40 então...) Nessa introdução o autor fala de onde veio a inspiração para o livro...
  Carrie (título original) foi o primeiro livro do autor que até então só escrevia contos, e provavelmente é o livro mais fino que ele escreveu também (sério... tive uma pontada de frustração quando o livro chegou e vi que era tão pequenino) e por ser o primeiro podemos ver sutis diferenças das outras obras dele, a narrativa me pareceu um pouco mais travada e em alguns momentos ele joga uma avalanche de informações sobre os mais diferentes assuntos na nossa cara.
  Apesar de a narrativa ser levemente diferente não tem como ler e não perceber que foi escrito por ele, com os pensamentos de personagens cortando uma frase da narrativa ao meio ou o fato de construir os personagens e até lugares contando acontecimentos do passado de cada um que não tem absolutamente nada a ver com a história (mas que nos dá a sensação de serem reais).
  Já houve três adaptações cinematográficas para essa história, a primeira em 75, se não me engano (e que eu não assisti), um de 2002, que passa exaustivamente no sbt (e dos que eu vi foi o mais fiel, incluindo nas interrupções da narrativa linear para mostrar lembranças e depoimentos de sobreviventes) e um de 2013, que é mais assustador (e bom) do que o de 2002 mas não chega aos pés do livro no termo "chega disso, vou dormir antes que piore."
  Na minha opinião o livro não tem apenas um ponto de reflexão... ele fala de bullying, de fanatismo religioso, hipocrisia, timidez e aceitação... não vou me aprofundar em cada tópico porque é interessante percebê-los no decorrer da leitura...
  Como já disse os personagens são extremamente bem construídos, o livro é dividido em três partes, não possui capítulos, e na primeira parte é basicamente a apresentação do cenário e dos personagens (acho que foi a Tati Feltrin, que todo mundo conhece, não é possível, que falou que o Stephen King demora para construir o cenário mas quando chega no horror é incrível) nessa primeira parte eu já percebi que prefiro ficar uma semana no Overlook do que um dia com Margaret White (entendedores entenderão), na segunda parte, chamada A Noite do Baile, conta, obviamente, a noite do baile e tudo que aconteceu e... é tenso... a terceira parte se chama Os Escombros, que não é difícil de imaginar sobre o que fala...
  Pensei em tirar uma estrela devido a finura do livro assim que vi ele, mas mudei de ideia porque ele foi tão incrível que não pude tirar nada, não seria justo...
  PS: Acho importante dizer que antes de Carrie ser convidada para o baile já sabemos quem vai continuar vivo depois do evento e quem não, o autor nos conta tudo de antemão...

Um Comentário com Spoiler
É assustador o fato de que, diferente dos filmes, Carrie tem total consciência do que está fazendo quando mata todo mundo e destrói a cidade, ela põe fogo no ginásio e quando ouve os bombeiros se aproximando ela esvazia os hidrantes para que não apaguem o fogo, o momento em que ela entra em casa e diz: "Mamãe, eu vim te matar" dá um gelo e quando a mãe começa a conversar com ela não sei de quem tive mais pavor...

6 comentários:

  1. Vi o filme pela metade uma única vez e achei bem chocante. Não sabia que era de um livro do Stephen King.

    thamirisdondossola.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tive minha época de assistir filmes sem saber que eram adaptações... Carrie foi um deles, assisti acho que umas três ou quatro vezes o filme de 2002 e uma o de 2013 ;)

      Excluir
  2. Rudi, essa é uma bela resenha para o mês do Horror, meu caro! Mas estou tão chateado! Fui num blog que também resolveu fazer um especial mês do horror, como lá no blog e quando li a primeira "super" postagem dele, me deparei com o Spoiler, com o que acontece em tudo da Carrie, fiquei com uma Merda de raiva. Vontade de matar.
    Curti a resenha e muito mais porque consegui captar a reação de um leitor assíduo do mestre ao ler sua primeira obra e encontrar diferença das demais.

    Gabryel Fellipe e algo - Confins Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A principal diferença, e única que realmente me desagradou foi... a finura do livro... :p
      sério? que chato... tudo bem que a história já tem 40 anos mas não é por isso que se pode fazer uma "resenha" (urgh!) contando toda a história...

      Excluir
  3. Eu não sabe que tinha o livro!

    http://sobre-tudoum-pouco.blogspot.com.br

    ResponderExcluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...