quarta-feira, 22 de julho de 2015

[Opinião] O Álbum - Timothy Lewis

Editora: Novo Conceito

Nº de páginas: 240

Trecho:
“Duas conchinhas, juntas lado a lado,
Indo e voltando ao sabor do mar abalado,
Duas conchinhas que um homem recolheu.
Duas partes, um belo camafeu.
Duas conchinhas, delicadas e orgulhosas,
Criadas pelo Autor de obras maravilhosas,
E as duas conchinhas são enviadas a você por mim,
Porque eu sei que compreende as maravilhas de Deus no mar sem fim”.

Sinopse: Para Adam, negociante de objetos usados, a casa de Gabe Alexander é apenas uma propriedade que será esvaziada e vendida pelo maior lance. Entretanto, em meio às prateleiras repletas de relíquias, um álbum antigo atrai sua atenção. Nele há cartões-postais amarelados pelo tempo, escritos ao longo de 60 anos. Intrigado, Adam começa a lê-los: eles estão cheios de frases românticas e delicadas, as provas do amor incondicional entre Gabe e Pearl Alexander.

Gabe cuidava para que um cartão chegasse às mãos de Pearl todas as sextas-feiras. Cada um deles possui não apenas um poema, mas verdades preciosas sobre o cotidiano de um casal que viveu um sonho. A soma de todas essas verdades talvez responda perguntas que Adam se faz há muito tempo.

Opinião:
  Devo confessar antes de qualquer coisa, que suspirei de forma negativa quando peguei este livro nas mãos. A combinação entre capa, premissa e titulo me desanimaram porque parecia que a leitura seria maçante e piegas acima do permitido pelo meu sistema. Pelo menos para mim, não havia nada de atraente nele a primeira vista, mas como sou uma pessoa forte, iniciei a leitura com coragem e bravura (palmas para mim \o/).
  É realmente muito bom quando você não tem nenhum tipo de expectativa positiva sobre um livro – e talvez, se eu tivesse, teria me decepcionado muito – porque assim que iniciei, percebi que talvez pudesse ter me enganado. Não foi uma experiência fora do normal, mas foi bom. Creio que a palavra certa seja reconfortante, e vou explicar o motivo:
  Adam é um homem divorciado que ainda lida com as consequências de seu casamento frustrado, além de um pouco desacreditado quando o assunto é amor. Pelo menos até uma visita à casa de um casal falecido para a venda de seus pertences.
Ali na residência dos Alexander, Adam encontra um álbum com cartões-postais de Gabe para sua esposa, escritos todas as sextas-feiras durante as seis décadas de casamento, cheios de romantismo e afeição. Adam então se vê obcecado pelo casamento duradouro e aparentemente feliz do casal... Mas qual o segredo para manter a chama da paixão durante tanto tempo?
  A partir de então, somos lançados entre o presente e um passado que começa lá atrás, em 1926, quando Gabe e Pearl se conhecem, e apaixonam-se a primeira vista.
  O livro é narrado em primeira pessoa por Adam, mas o passado do casal Alexander é narrado em terceira pessoa, dividindo-se entre os dois. No inicio, imaginei que teria algum tipo de dificuldade, mas tudo fez sentido no final e o trem não saiu dos trilhos. A narração é muito delicada e romântica, e como a época é a década de 20, senti que as coisas se encaixaram do jeito certo. Existe toda aquela prosa gostosa, a delicadeza e poesia do seu tempo, e a experiência de ter sido lançada nesse cenário foi muito boa.
  Pearl Alexander é uma mulher que eu aprendi a admirar conforme eu lia. Dentre os limites de sua época, Pearl é uma mulher independente e rebelde. Obviamente nem tudo são flores e em alguns momentos ela me irritou profundamente. Mas eu senti nela uma boa pessoa, que não é perfeita, mas que tem ótimas qualidades.
  Já Gabe é um homem romântico que combinou com o seu tempo. Suas ações e gestos para com sua esposa me fizeram sorrir, porque sejamos sinceros, os relacionamentos de hoje são tão sólidos quanto água... E quando lemos algo assim, passamos a ter esperanças. Quem sabe existam pessoas como Gabe Alexander andando por aí? E eu nem falo no romantismo, a personalidade de Gabe vai muito além. É o respeito com sua parceira, a gentileza, a generosidade... atrativos que vem se perdendo rapidamente hoje em dia.
  Gostei muito do andar da história, e de acompanhar os anos de casamento dos Alexander. Confesso que conforme eles envelheciam eu sentia certa angustia por saber que a previsibilidade da morte separaria o casal, mas foi bom ter o início, o meio e o fim da vida deles – o que me causou um caroço na garganta.
  Uma curiosidade muito legal é que a obra é baseada na história real dos tios do autor. Depois da morte deles, Timothy Lewis encontrou um álbum no lixo, com cartões postais escritos pelo tio para a esposa, entregues toda sexta-feira durante todo o seu casamento ^^.
  Apesar de a narração às vezes chegar a ser maçante, no geral ela é bonita. Confesso que achei um pouco exagerado todo o esforço do casal para manter-se unido – sempre imaginei que as coisas deveriam ser mais leves do que isso – mas parando bem para pensar, realmente não deve ser fácil manter um casamento por tanto tempo e amando uma pessoa da mesma forma sem o mínimo de esforço.
   Existe uma gentileza, um charme sutil que borda a obra de forma que passamos a ter um pouco mais de fé e esperança na humanidade. E quando enfim terminei a leitura, senti meu coração um pouco mais leve.
  Espero que a experiência seja tão proveitosa para vocês como foi para mim!








5 comentários:

  1. Oi Carol!
    concordo contigo, pela capa eu não leria esse livro.
    E a sua resenha até deu uma aliviada nos pontos negativos do livro, mas creio que a alma deste não se salvou pra ir pro paraíso da minha estante! EUHEUEHEUHU

    Bjs da Le
    www.leversosecontroversias.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S.
      Concordo com você, sobre as pessoas se perderem no tempo em falsidade, mentiras, fazendo com que desacreditamos que existam pessoas de bem.
      Mas acredite, pessoas 'boas" existem, e não são poucas mesmo sendo a minoria.
      O comodismo, o modismo e a desesperança é que fazem a gente descrer.

      Excluir
    2. Oi Letícia... tudo bem?
      Às vezes não tem santo que nos convença a ler um livro mesmo! haha
      O que eu gostei nesse livro, foi que ele trás problemas sociais da época, e que ainda vemos refletidos em nosso tempo.
      Existem pessoas ruins sim, mas ler sobre pessoas boas me faz sentir bem... e me faz lembrar que eu estou rodeada por muitas delas - sorte a minha!

      Bjs... e até mais!

      Excluir
  2. Oi, Carol! Tudo bem? Eu adorei a premissa desse livro e fiquei curioso para lê-lo. Parece ser um livro bem bacana e marcante! Espero lê-lo em breve. Adorei a resenha! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi! Tudo ótimo, e com você? rsrs
    A história é linda... tem um toque vintage, sabe? Espero que você curta assim como eu curti :D

    Beijos

    ResponderExcluir



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...