domingo, 24 de janeiro de 2016

Aquisições #10 [Acho que Não Esqueci de Nada]

  
  Pois é, né!
  Mais uma vez acumulamos uns quatro meses, natal, aniversário e Black Friday... o resultado, uma porrada de coisa nova que vou mostrar agora, totalmente fora de ordem... Queria fazer um vídeo, mas resolvi deixar pra gravar quando eu tiver uma câmera decente. Assim sendo, vamos matar a saudade das fotos tremidas e desfocadas que um cara sem muito tato pra isso tirou.

  Começando com o que eu acho que foi o último livro que comprei. O Rei do Inverno, do Bernard Cornwell. O primeiro livro da trilogia As Crônicas de Arthur, não sou um grande entusiasta das lendas arthurianas mas sempre quis ler algo do autor, por que não começar com um dos mais famosos?

  Comprei na Avon um box da Agatha Christie com os livros Morte na Mesopotâmia, Os Elefantes Não Esquecem (que já li e você pode ler minha opinião sobre ele clicando aqui) e A Mansão Hollow. Sei que a edição normal da Nova Fronteira tem uma qualidade muito maior do que a vendida na Avon, mas decidi que prefiro continuar colecionando os livros da autora nas edições da L&PM Pocket.

  Comprei também essa edição da BestBolso de O Diário de Anne Frank, é um livro que quero ler a muito tempo e como gosto bastante das edições pockets (e a única outra edição que me atrai mais que essa custa uma fortuna) pensei, por que não? Pretendo ler em breve.

  Como disse pouco acima, quro colecionar os livros da Agatha Christie nessas edições de bolso da L&PM, então comprei Um Passe de Mágica, mais uma história da Miss Marple, já que o outro livro com a personagem (Um Corpo na Biblioteca) que li é, por enquanto o meu favorito da autora.

  Uma autora que já faz um tempo que quero conhecer é Virgínia Woolf, e como encontrei um livro dela do qual nunca tinha ouvido falar, que tem comentários na quarta capa dizendo que é o mais bem-humorado que ela escreveu e, principalmente, é sobre cachorros (♥) não exitei, além de ser pocket e ter saído bem baratinho.

  Sim, vamos continuar insistindo com John Boyne. Sempre ouço que O Garoto no Convés é um dos melhores, se não o melhor, livro do autor... só espero não ficar com vontade de estapear o protagonista, como frequentemente acontece comigo quando leio os livros do autor.

  Bem que dizem. Decepção não mata, ensina a viver. Isso se encaixa perfeitamente com minha experiência com o livro Viagem ao Fundo do Mar, do K. A. Montgomery. A proposta do livro é ótima, você escolhe o rumo que a história vai tomar. Mas as escolhas são basicamente para ou continua. Eu fiz o possível para prologar a história e ela ficou totalmente ridícula e sem nexo. Apesar de ter sido baratinho me arrependerei eternamente por não ter usado o dinheiro que gastei com ele em chocolate.

  Peguei com a autora, a Graciela Mayrink, o novo livro dela: Quando o Vento Sumiu, e já li ele, ela sem dúvida se superou em relação ao livro anterior. Uma leitura agradável e despretenciosa, perfeito para quando você está muito carregado e precisa espairecer um pouco, além de mostrar o poder de pequenas decisões. Vocês podem ler minha opinião mais completa clicando aqui.

  Claro que não podia deixar de garantir o meu exemplar de Simples Assim, a nova coletânea de crônicas da Martha Medeiros. Este compila as crônicas de metade de 2013 a metade de 2015. Ainda não consegui ler, mas não vejo a hora.

  Como, na minha cabeça, ninguém jamais será um(a) cronista tão bom(a) quanto Martha Medeiros. Sete Anos está a um bom tempo acumulando poeira na minha estante, assim sendo resolvi ler Fim primeiro, também da Fernanda Torres, para ver se ela me conquista como vem conquistando vários dos meus amigos blogueiros por aí.

  Ano passado foi um ótimo ano pra mim, no quesito séries de televisão, só conheci umas três, mas pra mim isso já é bastante, ainda mais por terem sido três séries tão incríveis: Doctor Who, Orphan Black e Jessica Jones. Então vi Homeland: Como Tudo Começou, do Andrew Kaplan e na quarta capa a frase "O melhor thriller da televisão americana'' e resolvi comprar, vou primeiro ler o livro pra ver se me interesso pela série. não acho que terá spoilers, afinal é ''como tudo começou''.

  Tá... eu comprei dois livro baseados em minecraft... não e só por eu gostar de livros baseados em jogos (vide meus 7 livros lidos baseados em Assassin's Creed pra provar) é porque eu entrei na livraria com crise de abstinência (óia a desculpa descarada) e decidi que não sairia de lá de mão vazias... só com os bolsos. Como só tinha livros auto-ajuda, eróticos ou que eu já tinha, acabei pegando esses por falta de opção claro que eu tinha a opção de não comprar nada, mas fale isso para o meu lado Becky Bloom, pretendo lê-los, e não teho a menor expectativa, espero que sejam, pelo menos, divertidos.

  A muito tempo venho querendo ler algo do Humberto Eco, e Número Zero é um livro que eu já estava namorando desde seu lançamento, não sei absolutamente nada sobre o autor ou o livro, mas como gosto de ler totalmente no escuro isso é bom Exceto para meus olhos, preciso começar a acender uma lâmpada.

  Outro livro que estava namorando desde seu lançamento, na verdade desde antes disso, era Onde Cantam os Pássaros da Evie Wyld. E li ele com as expectativas lá no céu, jogando o medo de me decepcionar aos cães e esperando que fosse o melhor livro da minha vida, e olha... ele foi... Algumas coisas, em relação ao final não ficaram muito claras para mim, mas sem dúvida é um senhor livro, que relerei (jura que o corretor não se manifestou?! Essa palavra existe mesmo?) muitas e muitas vezes na minha vida. Pode ler minha opinião com mais detalhes clicando aqui.

  Martha Medeiros me fez amar os livro gaúchos, e Fernando Aguzzoli só aumentou esse amor Quem, eu? é um relato comovente de um neto que vive com sua avó com Alzheimer, um relato pungente que mexeu muito comigo, pra quem não sabe, eu vim de Goiás para Santa Catarina para morar com a minha avó que sofre do mal de Alzheimer, talvez por fazer parte da minha realidade o livro tenha me tocado tanto e me feito chorar como uma criança. A próxima postagem será minha opinião sobre ele.

  Outro autor brasileiro, e um muito elogiado, inclusive. A tempos queria conhecer a escrita do Raphael Montes, mas O Vilarejo não era o livro que eu mais queria ler dele, como foi o único a que tive acesso, não teve outro jeito. E confesso que me surpreendi, eu esperava algo bom, mas não tão bom, nem tão macabro e cruel, ele, literalmente, jorra sangue das páginas. Você pode ler minha opinião mais detalhada clicando aqui.

  Como disse, uma das séries incríveis que descobri ano passado foi Doctor Who, e minha companion favorita é a Amy Pond, então como o livro Quando Cair o Verão foi ''escrito por ela'' fiquei louco para ler, principalmente depois do quinto episódio da sétima temporada :'(
  Essa edição traz também uma história da River Song e do melhor trio da série Madame Vastra, Jenny e Strax. PAra saber o qu eu achei do livro é só clicar aqui.

  Claro que eu não podia encerrar o ano sem um novo livro do Stephen King, Revival é o último livro do mestre lançado aqui no Brasil, sei que terá algo a ver com vida após a morte e ressurreição, mas tirando isso e o fato de ele ter uma capa desumanamente linda, não sei nada sobre o livro.

  Ganhei do meu pai o livro Pai Rico Pai Pobre, e como ele esqueceu de tirar a etiqueta do preço não pude deixar de fazer a piada: Pai rico, comprou esse livro, pai pobre (troço caro!!!) Já li e curti demais, tem muita coisa que podemos levar pra vida, e outras que é melhor torcermos para que ninguém o faça. Não fiz uma postagem específica porque acho que pouca ente, ou ninguém, iria se interessar muito pelo assunto abordado nele.

  Ganhei de aniversário O Poder da Escolha, da Zíbia Gasparetto. Eu tinha curiosidade de ler algum livro dela e tive a oportunidade... preferia não ter tido. Não curti nenhum pouco o livro, se quiser saber porquê é só ler minha opinião clicando aqui.

  De amigo secreto no meu serviço eu ganhei Simplesmente Irresistível, da Rachel Gibson. Não é um livro que faz meu estilo, mas como li a sinopse e me parece ser um livro engraçado eu pretendo ler... torcendo para não ser meloso.

  Outro livro que quero muito ler é Perdido em Marte, do Andy Weir. Não pretendia comprá-lo já, mas como queria com essa capa tive que me apressar, já que saiu o filme e vai ser difícil encontrá-lo nessa edição.

  Já falei na minha postagem sobre os autores dos quais quero ler tudo (essa postagem aqui) John Verdon é autor de dois dos melhores suspenses policiais que já li na vida, e apesar do último livro dele ter ficado bem aquém do esperado eu não via a hora de poder ler Peter Pan Tem Que Morrer, que inclusive já estou lendo, estou no comecinho mas ele meio que já reparou alguns dos erros que encontrei no livro anterior. Logo falo dele por aqui ;)

  Estava desesperado para saber o que aconteceria com Kvothe na continuação de O Nome do Vento, mas ainda não tive a oportunidade de lê-lo, ganhei O Temor do Sábio de natal e pretendo reler o primeiro antes, como vou viajar mês que vem provavelmente farei isso só em março...

  Mais um achado dos últimos anos foi Gillian Flynn, e agora posso ler seu livro de estréia, pretendo ler Objetos Cortantes ainda esse mês, se o tempo me permitir.

  A pouco tempo vi que havia saído uma nova edição dos livros da série As Crônicas de Gelo e Fogo, e como a última indicação da Milly (Mais Uma Página) que acatei se tornou um dos meus livros favoritos, resolvi dar uma chance, pretendo ao menos começar ainda esse ano. E devo dizer que adorei essas capas dessa edição especial para águias (é sério, só tendo a visão de uma para ler essas letras minusculas).

  Tive também o meu primeiro contato com a trilogia clássica de Star Wars, devo dizer que não morri de amores pelo universo, mas me diverti bastante e fiquei bastante interessado em assistir aos filmes (não, ainda não assisti) Os livros que comprei e já li são A Princesa, O Cafajeste e O Garoto da Fazenda, da Alexandra Bracken (opinião aqui), Então Você Quer Ser Um Jedi? do Adam Gidwitz (Opinião aqui) e Cuidado com o Lado Sombrio da Força, do Tom Angleberger (opinião aqui).

  Também ganhei de aniversário essa edição linda e desumanamente pesado de Inferno, do Dan Brown. o melhor é que combina com a edição de O Símbolo Perdido que tenho, já que ambas são ilustradas, gigantescas e pesam uma tonelada.

  Depois que eu li Sono (opinião aqui) resolvi que Haruki Murakami é outro autor que quero ler tudo que publicar, e então comecei com O Incolor Tsukuru Tazaki e Seus Anos de Peregrinação, livro que terminei essa semana e, apesar de não ser TÃO bom quanto Sono, com certeza é um ótimo livro... opinião em breve.

  Não costumo mostrar os quadrinhos que compro aqui, só depois que leio. Mas tive que colocar essa coisa linda que encontrei A Torre Negra: Traição é o terceiro volume dos quadrinhos que contam a história do mundo médio antes da série de livros, e meio que durante, já que os livros são lotados de flash backs também. Comprei o terceiro porque foi o único que encontrei. Mas estou louco querendo o primeiro (Nasce o Pistoleiro), o segundo (O Longo Caminho Para Casa) e o quarto (A Batalha da Colina Jericó) e se tiver outros eu quero também... Estou em oração para que a Suma lance uma edição decente dos livros da série para que eu possa trocar a minha, porque apesar de eu gostar de edições pockets e amar as capas dessa série (as da edição pocket) Stephen King merece destaque em qualquer estante.

  E já que mostrei um quadrinho, porque não mostrar os outros? Da coleção de capa preta da Salvat eu peguei Hulk Contra o Mundo, Eternos, Capitão América: Morre Uma Lenda, 1602, Capitão América: O Novo Pacto, Novos X-Men: Imperial e a parte 1 e 2 de Vingadores Eternamente

  Sinto que estou esquecendo alguma coisa, mas como essa postagem já está grande o suficiente vou parar por aqui... provavelmente só venho com outra postagem dessas em março, porque estarei de férias em fevereiro e vou viajar para Goiás e visitar a minha livraria queria e amada de lá :p Esperem muitos Kings ^^
  E vocês, o que compraram/ ganharam nesse fim de ano?... e começo... Grande abraço pro6 e até quarta ;)

sábado, 16 de janeiro de 2016

[Opinião] Onde Cantam Os Pássaros - Evie Wyld

Editora: Darkside

N° de Páginas: 251

Citação:
Sinto o impulso de ficar sozinha, de não dar satisfação a ninguém, a sensação de ser desconhecida e estar longe.''

Sinopse:
  Jake Whyte vive sozinha em uma velha fazenda, em alguma ilha britânica anônima, um lugar de chuvas incessantes e ventos violentos. Apenas ela, seu companheiro indomado, Cão, e um rebanho de ovelhas. Mas algo tem vindo atrás dos animais - de tempos em tempos algo surge à noite, arrebata uma ovelha e a faz em pedaços.
  Poderia ser qualquer coisa. Há raposas na mata, um rapaz estranho e um homem esquisito, rumores sobre uma fera obscura e formidável. E há o passado desconhecido de Jake, talvez invadindo seu presente, uma história escondida há nos e a milhares de quilômetros, em uma paisagem de cores e sons diferentes. Uma história contada nas cicatrizes que cobrem suas costas.

Booktrailer:


Opinião:
  Sabe quando você pega um livro com expectativas de que ele seja o melhor livro da sua vida?

  Sabe quando você lê com medo de decepcionar?

  Sabe quando o dito livro supera TODAS as suas expectativas e se torna, sem sombra de dúvida, o melhor livro que você já leu na sua vida? Pois é, foi isso que aconteceu aqui. A partir de hoje, quando alguém me perguntar qual o meu livro favorito posso responder sem demora.
  O que tem de tão incrível nesse livro? Duvido que serei capaz de passar para vocês, mas vou fazer o possível.
  Aqui somos apresentados a Jake Whyte, uma reclusa, rabugenta e mal-amada pastora de ovelhas, e então vamos conhecer o porque de ela ser uma reclusa, rabugenta e mal-amada qualquer coisa. Mas a história, apesar de todo o drama, suspense e terror psicológicos, principalmente, é o menos interessante do livro.
  A autora montou o livro de forma não linear. Os capítulos ímpares contam o presente narrado no passado de forma linear, enquanto os capítulos pares nos contam o passado contado no presente de forma retroativa. É confuso e eu demorei um pouquinho pra me tocar o que estava acontecendo, mas é simplesmente incrível, isso faz com que ambos os ápices da história (sim, porque a autora não se contentou com apenas um) se encontrem no final do livro, o começo da história de Jake, e também seu final.
  Mas a construção narrativa, apesar de genial, também não é o mais incrível do livro. Tudo, absolutamente tudo nesse livro tem um sentido obscuro sob a superfície, não só cada elemento da capa, o próprio nome, as ovelhas, os personagens tudo.... você pode ler sem se importar com isso e será um livro incrivelmente bom, ou pode lê-lo com toda a sua atenção, juntando as peças, vendo o que está por trás de cada elemento, cada acontecimento e esse se tornará um livro fenomenal. E ainda existe a possibilidade de você ler ada ponto das entrelinhas e ter uma interpretação totalmente diferente da minha.
  É um livro delicado, apesar de pesado e forte (sim, isso é controverso) além de cíclico, você não vai entendê-lo totalmente lendo apenas uma vez, eu li duas e não entendi muito bem o final (vamos conversar sobre ele na parte que separarei para os spoilers). Um livro para ser lido, relido, lido novamente, e uma quarta vez, e também uma quinta...
  Um livro que te fará pensar sobre a vida, os sentimentos que ligam as pessoas, o quanto magoamos a nós mesmos e as pessoas a nossa volta com palavras aparentemente inocentes, e principalmente, sobre o peso da culpa, a busca por redenção e a profundidade dos traumas sofridos por cada um de nós.







Um comentário com spoiler (selecione para ler)

A criatura que despedaça as ovelhas (sim, é um monstro), é outra coisa genial do livro, uma história sobre monstros onde o monstro, sejamos sinceros, nem aparece. Mas como tudo tem um outro sentido além do literal nesse livro, o monstro me parece a ''materialização'' da culpa da Jake por ter incendiado a cidade e fugido deixando que o carinha por quem era apaixonada levasse a culpa, apesar de um policial ouvir ela falando o contrário o carinha levou a culpa sim. Enfim, vamos focar no monstro. Pra mim ele é a culpa da Jake destruindo sua vida, por assim dizer, ou talvez o medo de que alguém conheça seu passado, mas, para mim, faz mais sentido ser a culpa. O que não consigo entender é o porquê de outras pessoas poderem ver ele, tem um momento, quando ele está pegando outra ovelha e Jake o vê, o Lloyd claramente não pode vê-lo, mas há rumores sobre uma criatura feroz pelas bandas da fazenda. O fato de no final do livro Lloyd poder vê-lo, em um momento que parece que Jake não o enxerga pode ser visto como uma forma de compartilhamento da dor, não sei... realmente não entendi o final. Apesar de ter certeza que a criatura, sendo ou não uma metáfora para a culpa, matou os dois. O último capítulo me pareceu meio desconexo, apesar de ser de doer o coração e ser narrado em um desespero pungente, mesmo que disfarçado. Mas eu acredito que tem algo de extremamente profundo nele também. Eu apenas não consegui juntar todas as peças.
Evie Wyld, um dos meus novos sonhos, um objetivo de vida, praticamente, é ter uma longa conversa com você para que possa me explicar de onde veio tanta genialidade.


quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

[Opinião] Quando o Vento Sumiu - Graciela Mayrink

Editora: L&PM Editores

N° de Páginas: 260

Citação:

Muita gente pedala, às vezes até distâncias maiores. Sei lá, quando estou sentindo o vento no rosto, parece que está tudo bem. Eu não sei explicar, mas tenho a sensação de que tudo vai se ajeitar na vida. Dá aquele sentimento de que, se o vento sumir, as coisas vão ficar ruins para sempre.''

Sinopse:
  Suzan, Mateus e Renato, três jovens típicos do Rio de Janeiro, são amigos desde os últimos anos do colégio. Suzan é uma garota doce e determinada, que sonha em ter sua própria agência de viagens. Renato é filho do dono de uma grande construtora, mas gosta mesmo é de pegar onda. Mateus é um rapaz sério, tímido e sofrido que vive com a mãe.
  Em meio ao dia a dia de estudantes de segundo ano da Universidade da Guanabara, festas, momentos em família e o gradual aumento de suas responsabilidades, a amizade se transforma e os três enfrentam, juntos, as dores e as delícias do amor. Não tardarão em aprender que pequenas escolhas têm consequências duradouras e imprevisíveis.

Opinião:
  Já ouviu aquela frase: ''Não aceite críticas de quem não conhece suas lutas''?
  Pois é, nesse livro somos apresentados a um trio de amigos, pessoas comuns como eu e você mas que estão em uma das muitas transições da vida, entrando na fase adulta, se deparando com responsabilidades e sonhos para o futuro.
  É um livro sobre amizade, quando ela se transforma em algo mais, quando deveria se transformar e quando era melhor que não tivesse se transformado. A autora brinca com clichês e constrói uma bela história sobre amadurecimento e a importância de pensar antes de agir.
  O livro possui dois finais, pra quem reclamou do livro anterior da autora dizendo que ela foi pelo caminho fácil, aqui ela nos dá um final mas mostra também o que poderia ter acontecido diferente, que acarretaria em um final diferente, isso serve de lição para pensarmos nas nossas ações e mostrar que decisões tomadas com a cabeça quente raramente tem bons resultados.
  Em sua maioria, o livro não tem grandes acontecimentos, conhecemos os personagens e nos afeiçoamos a eles, podemos ver nossas vidas refletidas em cada um deles, com suas dúvidas, aspirações e desejos.
  Deixei esse livro para janeiro para ler no mesmo mês que li o outro da autora, A Namorada do Meu Amigo, que foi uma agradável surpresa. Como terminei de ler o livro anterior com minha fé na humanidade mais abalada do que o normal, precisava ler algo mais leve e esse livro foi um bálsamo para meu emocional abalado. 
  É uma ótima pedida para quem está de ressaca literária ou, como eu, procurando algo mais leve para ver que ainda existe bondade no mundo, não que o livro não tenha seus vilões, mas tudo precisa de equilibrio, certo?


domingo, 10 de janeiro de 2016

[Opinião]Eu Vejo Kate - Claudia Lemes

Editora: |E|M|P(Í)R|E|O|

N° de Páginas: 389

Citação:
Kate, eu temo as pessoas que se ajustam. Você sabe? O mundo é louco. Somos sete bilhões de pessoas construídas na mesma biologia, as mesmas necessidades básicas, somos feitos para ser uma comunidade e ainda assim fazemos os outros passarem fome, estupramos e assassinamos e torturamos crianças para o ego, por prazer. As pessoas que se ajustam a isso, que dormem tão bem a noite... Os que são bem-sucedidos em uma empresa, porque conseguem seguir as regras, mesmo que essas regras sejam doentes... Kate, você e eu não somos os desajustados. Estamos em sã consciência, amor.''

Sinopse:
  Um ano atrás, Blessfield enterrou doze mulheres vítimas do cruel serial killer Nathan Bardel. Ele foi julgado e executado. Antes que as feridas da cidade cicatrizassem, um novo assassino em série surgiu. Mais violento. Mais cruel. Com o mesmo método.
ALVO NA MIRA
  Kate Dwyer é uma escritora imersa na produção da biografia de Nathan Bardel. O que ela não sabe é que ao mergulhar na sombria vida do assassino, ele passa a acompanhá-la. à medidaque se aprofunda nos mistérios de Bardel, a escritora desperta outro assassino. Agora, sua vida corre perigo.
SERIAL KILLER X SERIAL KILLER
  Desde que Kate decidiu escrever a história de sua vida, Nathan Bardel percebeu que mesmo morto poderia acompanhá-la. Quando ele descobre que um novo serial killer o está copiando fica furioso. Agora ele tem uma nova meta: encontrar o imitador.
CAÇADOR DE MNSTROS
  O agente especial do FBI Ryan Owen é um dos melhores profilers do país. Mas sua esperiêcia será colocada à prova na busca pelo serial killer que não deixa pistas. Ryan - que está com a carreira ameaçada - se vê numa investigação que pode terminar de forma trágica.

Opinião:
  Eu vejo Kate... e não gosto dela. Ela não é uma pessoa fácil de se gostar, admirar seu trabalho, talvez, ser amigo dela? Fora de cogitação.
  Esse livro nos apresenta a essa  protagonista autodestrutiva e por vezes irritante, autora de livros de segunda que um belo dia resolve escrever a biografia de um serial killer da sua cidade natal que foi executado a poucos anos. Assim conhecemos nosso primeiro narrador, o dito serial killer que nos conta a história sem poder interferir muito nela, afinal de contas ele está morto...
  Não quero revelar muito da história para não estragar a experiência de ninguém. Mas já te previno, é preciso ter coragem para levar a leitura até o final. A autora não poupa o leitor, revelando a realidade tenebrosa do que o ser humano é capaz. A história, ao mesmo tempo incrível, vívida e perturbadora, nos é contada pelos pontos de vista de um maníaco morto, de uma escritora razoavelmente desequilibrada e de um agente afastado do FBI. E a troca de narrador é feita com primor. Se você abrir o livro em qualquer parte ao acaso vai poder perceber quem está narrando aquele trecho. Mesmo que um dos narradores tenha sofrido drásticas mudanças no decorrer do livro, mas o que pode parecer um defeito é intencional, perto do final ele fala que a história que acompanhou/narrou o mudou e isso, como já disse, é perceptível.
  O livro nos faz pensar em quão bem conhecemos as pessoas que nos cercam, o quanto nos importamos com o que acontece no mundo, e o que significa, exatamente, ser humano. É um livro que mexe com o psicológico e com o estômago do leitor, causando medo, repulsa e inconformidade. Se você ler esse livro e não ficar horrorizado, me faça um favor, fique bem longe de mim.
  Editora Darkside, vocês acham que perturbam com um taxista possesso com uma língua incontrolável? Não sabem o que é perturbar de verdade.
  Se você procura emoções fortes, personagens de uma crueldade pungente e escrito de uma maneira absurdamente verossímil, que te fará pensar no quanto cada um de nós tem que melhorar e tomar cuidado nessa vida, esse livro é para você. Se você se acha forte, lê livros policiais e de terror achando graça... te garanto que Claudia Lemes te dará um belo choque de realidade.


[Opinião] Contos de Imaginação e Mistério - Edgar Allan Poe

Editora: Tordesilhas

N° de Páginas: 190

Citação:
Quem nunca se pegou, uma centena de vezes, cometendo algum ato vil ou tolo sem nenhum outro motivo além de saber que não deveria? Não mostramos uma perpétua inclinação, malgrado todo o nosso bom-senso, a violar essa coisa que chamamos Lei, meramente porque a compreendemos como tal? Esse espírito de perversidade, como disse, veio para minha ruína final.''

Sinopse:
  Contista, poeta, editor e crítico literário, Edgar Allan Poe é considerado pela crítica como pai da narrativa policial e um dos escritores mais significativos do século XIX, tendo sido publicamente aclamado por grandes nomes da cena intelectual e artística, como Júlio Verne, Arthur Conan Doyle, Charles Baudelaire e Leslie Stephen. Além da literatura, a influência de seu trabalho é sentida em diversos campos, principalmente cinema, música, televisão, criptografia e cosmologia. Figura extremamente polêmica, as causas de sua morte são desconhecidas até hoje, especulando-se sobre álcool, congestão cerebral, cólera, drogas, problemas cardíacos, hidrofobia, suicídio e tuberculose, entre outros.

Opinião:
  Não me acho muito digno de falar sobre esse autor tão aclamado, mas a verdade é que, em um contexto geral, gostei mais de H.P. Lovecraft do que de Poe. Ambos autores me cansaram em alguns momentos, mas os contos Os Assassinatos da Rua Morgue e O Mistério de Marie Roget, os dois últimos desse livro, foram bastante enfadonhos para mim, apesar de serem do gênero policial, muita pouca coisa acontece, apenas entrevistas e suposições... muita conversa e pouca ação.
   Os primeiros contos são realmente incríveis, explorando o que há de pior na humanidade. Meus favoritos foram O Poço e o Pêndulo, O Gato Preto e Encontro Marcado.
  A edição está linda, Sei que ela costuma ter capa dura, como comprei o meu exemplar na Avon ele não veio com este atrativo mas mesmo assim tem as ilustrações belas e macabras da edição normal.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...